Fernanda Silva
Fernanda Silva
30 Mar, 2016 - 07:00
Teletrabalho em Portugal: saiba se tem perfil

Teletrabalho em Portugal: saiba se tem perfil

Fernanda Silva

Como acontece com outros países da Europa, o teletrabalho em Portugal tem vindo a crescer. Saiba se é uma boa opção para si. 
 

O artigo continua após o anúncio

{%%affiliation_html_715%%}Um dos estudos com dados mais recentes sobre o Teletrabalho em Portugal é da Regus, empresa belga que é líder mundial em soluções de espaço de trabalho flexíveis. Neste estudo participaram mais de 44.000 profissionais de mais de 100 países.

O documento, apresentado em meados de 2015, mostrava que mais de metade dos trabalhadores de todo o mundo têm um escritório em casa, mas que nem todos dispõem de um espaço totalmente equipado e profissional na residência e que as empresas raramente suportam as despesas.

Teletrabalho em Portugal: solidão e falta de interação com colegas

No caso português, 60,8% dos inquiridos do estudo dizia ter um escritório em casa, mas apenas 48,9% acreditava que este tinha um ambiente profissional. Além disso, em apenas 28,5% dos casos os gastos da montagem desse escritório foram pagos pela empresa. 71,5% dos trabalhadores suportaram as despesas da criação desse espaço.

Quase metade dos profissionais pensa ainda que a maioria das empresas que incentivam os seus colaboradores a trabalhar a partir de casa estão simplesmente a tentar transferir o custo do espaço de trabalho para o empregado, concluiu o estudo.

Quem opta pelo teletrabalho em Portugal tem ainda tendência para sentir solidão, como admitiram 40% dos entrevistados. E 69% diz sentir falta da interação entre colegas. 52% dos profissionais afirma que trabalhava fora do escritório mais de metade da semana e 43% considera que os membros da família levam o seu trabalho menos a sério quando trabalham a partir de casa.

Acredita que tem perfil para teletrabalhar? Fique com estas perguntas e respostas.

O que é o teletrabalho?

 A lei define o teletrabalho como a prestação de trabalho realizada fora da empresa e através do recurso a tecnologias de informação e de comunicação.

Ou seja, o teletrabalho implica que exista distância e tecnologia. Isso pode significar trabalhar a partir de casa ou de outro local (escritório, café, parque…) que não a sede da empresa.

É uma forma de organização do trabalho em grande crescimento, lá fora e também no nosso país.

Quais as características que deve ter um teletrabalhador?

Ser teletrabalhador não é para qualquer um. É preciso que o profissional reúna algumas características para ser bem-sucedido se quiser avançar para este modelo de trabalho.

Por exemplo, é preciso saber trabalhar bem sozinho, ser disciplinado e conseguir definir os seus próprios objectivos, e saber também definir limites, sobretudo no que toca a não ultrapassar as horas de trabalho e a fazer intervalos para descansar, e, por outro lado, a não adiar o trabalho. São também requisitos ter boas capacidades de comunicação e dominar as novas tecnologias.

Quais as vantagens e desvantagens do teletrabalho?

Esta nova forma de organização do trabalho tem vantagens e desvantagens.

As principais vantagens são:

  • ganhar tempo – deixa de ter que se deslocar para o trabalho, evita perder tempo em filas de trânsito e transportes públicos.
     
  • poupar – combustível, refeições fora, estacionamento, manutenção do carro ou passe, são despesas que deixa de ter.
     
  • ter horários mais flexíveis – pode organizar o seu tempo em função das suas necessidades pessoais, gerir o seu tempo e controlar o seu ritmo de trabalho.
     
  • maior produtividade – menos distracções permitem desenvolver mais trabalho em menos tempo.
     
  • mercado de trabalho alargado – a distância geográfica deixa de ser obstáculo e pode trabalhar para empresas e com empresas de qualquer país e morar em qualquer lado, dentro ou fora das grandes cidades.

Desvantagens ou pontos menos positivos:

  • isolamento social – perde-se o convívio com os colegas e pode ficar solitário e perder competências sociais.
     
  • isolamento profissional – pode deixar de acreditar em si próprio e ficar inseguro.
     
  • ter menos oportunidades profissionais – ser esquecido na hora das promoções ou da progressão na carreira por estar mais distante da empresa.
     
  • dificuldade de estabelecer horários –  pode não conseguir deixar de pensar em trabalho e trabalhar fora de horas ou, pelo contrário, não aproveitar o tempo para fazer tudo o que precisa.
     
  • não conseguir lidar com distracções – pode não conseguir concentrar-se e distrair-se com a família, os vizinhos, a televisão, os animais de estimação…
     
  • não desligar casa e trabalho – isso vai fazer com que não consiga “desligar-se” do trabalho, mantendo o telefone e o computador sempre por perto e caindo na tentação de responder a uma chamada e email.  

Quais os profissionais mais ligados ao teletrabalho?

Os cargos ligados à consultadoria e tecnologia são dos que mais se destacam quando se fala em teletrabalho. Mas há muitas funções na área da saúde, educação, organizações sem fins lucrativos, vendas, finanças e recursos humanos, muitas vezes ligadas a cargos de chefia, que recorrem a esta forma de trabalhar.

Jornalistas, tradutores, contabilistas, consultores, arquitectos, designers, engenheiros ou programadores, são exemplos de profissões muitas vezes ligadas ao regime de teletrabalho.  
  {%%affiliation_html_716%%}
Veja também:

Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp