Luana Freire
Luana Freire
21 Nov, 2018 - 17:15
Vacinas dos gatos: tudo o que deve saber

Vacinas dos gatos: tudo o que deve saber

Luana Freire

Sabia que as vacinas dos gatos não são obrigatórias em Portugal? Ainda assim, há situações em que deve apostar na vacinação do seu felino.

O artigo continua após o anúncio

Conhecer o plano de vacinas dos gatos  – e segui-lo – é fundamental para manter a saúde do seu animal de estimação em segurança, afastando o risco de patologias conhecidas e garantindo que o seu melhor amigo tenha uma vida saudável e, claro, longa como se quer.

Sabendo que a vacinação dos gatos não é sempre necessária, importa conhecer quando ela é aplicável e aconselhada. A melhor forma de o saber é consultar um veterinário da sua confiança, mas há dados importantes a conhecer para estar familiarizado com o assunto.

Saiba mais sobre as vacinas dos gatos.

Vacinas dos gatos: por que e quando administrar?

Ainda que, em Portugal, não sejam obrigatórias por lei, ao contrário dos cães, as vacinas dos gatos são fundamentais quando o assunto é prevenir doenças comuns e, até, potencialmente perigosas.

gato

O processo de imunização por via da vacinação atua para fortalecer o sistema imunitário do animal, dando-lhe as ferramentas necessárias para responder  às infecções que possam aparecer ao longo da sua vida. Para que isso aconteça, a vacina apresenta um conjunto de organismos – ou parte deles, vivos inativados ou mortos – que ajuda a desencadear uma série de reações ao agente invasor.

A Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, que é responsável pelos testes obrigatórios feitos antes da que qualquer vacina seja introduzida no mercado, adverte que a administração das doses pode provocar reações adversas no animal, tal como acontece com os humanos, no entanto, nenhuma delas é grave. As reações à vacinação podem durar de algumas horas até cerca de dois dias.

Sabia que…

Mesmo que não esteja prevista na lei portuguesa, a vacina contra a raiva nos gatos é exigida como prova quando o dono pretende viajar com o animal. Nessas situações, deve ser apresentado um boletim de vacinação assinado pelo médico veterinário. O mesmo acontece quando pretende deixar o seu amigo em determinados hotéis para animais – quando vai de férias, por exemplo. Ter a vacinação em dia pode ser determinante na altura de decidir onde vai deixá-lo.

Curiosidade: para viajar com o seu gato, também deve apresentar identificação eletrónica e passaporte.

O artigo continua após o anúncio

Qual é o plano de vacinas dos gatos?

Só o médico veterinário é autorizado para prescrever e administrar a vacinação dos gatos, pois é o especialista com formação adequada para tal. O profissional da sua confiança, após análise cuidada da situação, deverá determinar a necessidade da vacinação e indicar o plano de vacinas.

Caso o veterinário indique que é necessária a administração de um plano de vacinação, a primeira vacina do gato é dada entre as 6 e as 9 semanas do animal, altura em que acontece o desmame. Até esta altura, é o leite materno que fornece os anticorpos responsáveis pelas defesas do felino. Importante, ainda, é dizer que o gato deverá ser desparasitado internamente antes da toma das vacinas.

Com a primeira vacina, o gato fica protegido contra doenças como a raiva, a leucemia felina (doença provocada por um vírus que compromete o sistema imunitário), a panleucopénia felina (patologia provocada por um vírus que pode provocar febre, vómitos, diarreia e perda de apetite) e, ainda, da coriza – que representa um conjunto de infeções do sistema respiratório e ocular.

Mas, é importante voltar a lembrar que só o veterinário é capaz de indicar o plano de vacinação e este terá como base testes que vão indicar se são portadores de algumas doenças (teste de leucemia e imunodeficiência).

Qual seria um possível plano de vacinas para gatos bebés? 

  • 2 meses: é administrada a vacina trivalente, que protege da panleucopenia, da rinotraqueíte e, ainda, da calcivirose;
  • 2 meses e meio: vacina contra a leucemia felina;
  • 3 meses: administração da segunda dose da vacina trivalente;
  • aos 3 meses e meio: administração da segunda dose da vacina da leucemia;
  • aos 4 meses: vacina contra a raiva.

Nota: são raras as vacinas que são administradas a animais portadores dessas mesmas doenças citadas, pois se eles são portadores significa que o organismo já combateu a infeção e tem anticorpos contra esse agente, pelo que a vacina será pouco eficaz. Os mesmos anticorpos iriam “combater” a vacina.

E para os gatos adultos?

  • Vacina da raiva
  • Vacina trivalente
  • Vacina contra a leucemia felina (indicada para gatos que vão passear à rua).

Veja também:

O artigo continua após o anúncio