Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
23 Out, 2019 - 14:55

Ser jovem e atleta de alta competição: conheça os direitos

Mónica Carvalho

Aproveitar e potenciar o talento dos atletas de alta competição é algo em que o Governo continua a apostar. Saiba mais sobre o tema.

equipa de futebol feminino a treinar

Todos conhecem os benefícios da prática desportiva, mas quando o assunto é alta competição, além das vantagens é importante conhecer os apoios existentes.

Afinal, desde muito cedo que o talento para o desporto pode ser demonstrado e quanto mais bem aproveitado, mais frutos a criança ou jovem pode colher.

O conceito de desporto de alta competição está, assim, relacionado com um elevado nível de seleção, rigor e exigência, apenas possível para alguns e depende do mérito das classificações e resultados desportivos alcançados no plano nacional e internacional.

Além de possuir um invulgar impacto no plano social, a prática desportiva de alta competição gera interesse e entusiasmo por quem pratica, pelos familiares, pelos treinadores e por todos os que de alguma forma contribuem para o sucesso individual e coletivo.

O que diz a lei sobre os jovens atletas de alta competição

jovens a praticar esgrima

A alta competição está prevista na lei, no Decreto-Lei n.º 125/95 de 31 de maio – alterado pelo Decreto-Lei n.º 123/96, de 10 de agosto.

Por lá encontrará todos os aspetos referentes ao tema, com especial foco para as crianças e jovens que pertencem a este grupo e de que forma a prática desportiva pode interferir com a atividade escolar.

No artigo 13º, analisam-se as datas de provas de avaliação que “devem ser fixadas para esses alunos em data que não colida com a sua atividade desportiva”, podendo, assim, criar-se épocas especiais para avaliação, requeridas pelo aluno e com uma declaração emitida pelo Instituto do Desporto.

Um atleta de alta competição tem uma carga horária de treinos elevada. Assim, para não afetar a performance escolar, o artigo 16º prevê a existência de aulas de compensação sempre que necessário.

Todavia estes e outros benefícios apenas podem ser aplicados em casos de bom aproveitamento escolar, “tendo em conta as diferentes variáveis que integram a atividade escolar e desportiva do praticante”, segundo indica o artigo 17º.

Unidades de Apoio ao Alto Rendimento na Escola: o que são?

O Decreto-Lei n.º 272/2009, de 1 de outubro, assim como o Decreto-Lei n.º 45/2013, de 5 de abril, reúnem um conjunto de medidas de apoio aos alunos em regime de alto rendimento ou integrados em seleções nacionais. Para garantir que a lei é cumprida com rigor e efetividade e que os alunos e atletas de alta competição possam ter um equilíbrio nas suas vidas, surgiu, em 2016, o Projeto-piloto UAARE – Unidades de Apoio ao Alto Rendimento na Escola (UAARE).

Afinal ser atleta de alta competição implica, muitas vezes:

  • Dias de trabalho de 10 horas, entre a escola e o desporto;
  • Treino intensivo, que pode ocorrer duas a três vezes por dia;
  • Transições no percurso de carreira e de vida;
  • Competições e estágios, a nível nacional e internacional;
  • Ausências à escola;
  • Exigências da vida familiar e social.

A UAARE vem dar uma grande ajuda. Trata-se de “uma estrutura técnico-pedagógica, criada no âmbito da Direção Geral de Educação, facilitadora entre o rendimento desportivo e o sucesso escolar, em Escolas onde existam alunos (nível secundário) que sejam simultaneamente atletas provenientes dos Centros de Alto Rendimento Desportivo e ou de Federações, Associações ou Clubes.” Em suma, o seu objetivo e os dos elementos envolvidos é a conciliação da atividade escolar com a prática desportiva, com sucesso.

O modelo das UAARE foi inspirado no Gabinete de Apoio ao Alto Rendimento (GAAR) de Montemor-o-Velho, que existe desde 2009 e que tem nota positiva. Por lá passaram vários campeões nacionais, que conquistaram medalhas internacionais e com uma taxa de sucesso escolar acima dos 90%.

No ano letivo 2016/17, o Projeto-piloto UAARE foi implementado na E.S.Amélia Rey Colaço – Lisboa; E.S. de Rio Maior – Rio Maior; E. S. de Fontes Pereira de Melo – Porto e E.S. de Montemor-o-Velho, até alcançar as 16 escolas e os 400 alunos no ano letivo transato.

Como é organizada uma UAARE?

As UAARE são compostas por equipas pedagógicas UAARE que têm como objetivo “desenhar, implementar e acompanhar o processo pedagógico e de apoio psicológico para cada um dos alunos envolvidos, tendo em consideração as suas particulares necessidades (ensino diferenciado).”

Professor acompanhante

Cada aluno/atleta de alta competição terá um professor acompanhante que se irá encarregar de:

  • Gerir os percursos individuais de aprendizagem, com o feedback de outros professores e tendo em conta a avaliação contínua;
  • Articular com todos os intervenientes (encarregados de educação, treinadores, federações, professores curriculares e professores de apoio UAARE) e o coordenador nacional;
  • Organizar e propor aulas de apoio para compensar as ausências ou as necessidades de estudo dos alunos.

Sala de Estudo Aprender +

Em cada UAARE existe um local que apoia os alunos numa aprendizagem personalizada e diferenciada, através da prática colaborativa e reflexiva entre professores e cujas ações são guiadas por percursos individuais de aprendizagem, recorrendo a apoio personalizado, apoio a distância e ensino a distância.

Psicólogo Escolar

Para potenciar o equilíbrio este a escola e o desporto, a existência de um psicólogo é fundamental para permitir:

  • Gestão emocional, desenvolvimento de estratégias de coping, motivação, auto-conhecimento, auto-confiança, auto-eficácia, e gestão de tempo;
  • Desenvolvimento vocacional e de carreira, orientada para o futuro;
  • Desenvolvimento de ambientes de aprendizagem positivos, bem-estar pessoal e relações entre professores, família e treinadores.

Até ao momento, o projeto que levou à criação das UAARE tem sido um sucesso, com um desempenho académico de 92,1%, na maioria dos anos acima da média nacional e uma taxa de abandono de 3,51%.

Para quem?

Podem integrar as UAARE os alunos que integrem a prática desportiva inserida no desporto de rendimento, “que corresponde à evidência de talentos e de vocações de mérito desportivo excecional, aferindo-se os resultados desportivos por padrões internacionais, sendo a respetiva carreira orientada para o êxito na ordem desportiva internacional”.

equipa feminina de basquetebol a iniciar o treino

Outros apoios existentes para os alunos e atletas de alta competição

A lei que sustenta a prática desportiva de alta competição refere ainda outros apoios além da criação das UAARE, nomeadamente:

  • Bolsas de alta competição;
  • A possibilidade de frequentar de forma prioritária infraestruturas desportivas, como centros de estágio, e a isenção no pagamento de quaisquer taxas de utilização de instalações desportivas de propriedade pública;
  • Centros especiais de apoio, que disponibilizem condições adequadas de preparação e apoio especializado aos praticantes em regime de alta competição;
  • Prémios aos praticantes que alcancem resultados desportivos de excelência, tendo em conta a especificidade de cada modalidade.

Importância do desporto no desenvolvimento infantil e jovem

O exercício físico quando praticado de forma metódica, seja individualmente ou em grupo, com fins de competição, recreação ou terapia, revela-se como altamente positivo para o desenvolvimento das crianças e jovens.

É certo que nem todos precisam de ser atletas de alta competição, seja por perfil, seja por opção. Todavia, os benefícios são inegáveis.

1. Desenvolve a autoestima

O espírito de equipa, a alegria das conquistas, o apoio nas derrota, entre outros. Sentimentos e situação que ajudam a desenvolver a autoconfiança e a aprendizagem sobre si próprio e sobre as características e qualidades de cada indivíduo.

2. Estimula a capacidade de liderança

Embora os desportos coletivos exijam um esforço em equipa, todas as crianças aprendem sobre liderança, sobre a responsabilidade de reconhecerem os diferentes papéis que ajudam a compor uma equipa.

3. Potencia o trabalho em equipa

Trabalhar em equipa é uma capacidade que as crianças e jovens guardarão para sempre e que os irá beneficiar em diferentes etapas e momentos da vida.

4. Permite criar relacionamentos mais fortes

Por causa do aspeto social dos desportos em grupo, as crianças aprendem a comportar-se melhor em situações sociais, já que desenvolvem um sentido de camaradagem e comunidade, permitindo-lhes manter e alimentar relacionamentos mais fortes.

5. Facilita as capacidades de comunicação

Trabalhar em equipa significa saber expressar-se e fazer-se compreender e compreender os demais.

6. Ensina a gerir o tempo

Para muitos, o desporto é um prazer ao contrário de outras atividades da vida. Pelo que é também através da prática desportiva que as crianças e jovens aprendem sobre a gestão de tempo e disciplina.

Veja também