Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
05 Fev, 2020 - 10:00

Saiba quanto custa ter um filho no ensino superior

Catarina Milheiro

O seu filho vai para a universidade? Então vai querer tomar nota dos nossos números e descobrir quanto custa ter um filho no ensino superior.

jovem do ensino superior a estudar

Afinal, quanto custa ter um filho no ensino superior? Esta é a questão de muitos pais que se deparam na altura da entrada dos seus filhos na universidade.

Se o momento de entrar para a universidade se aproxima para o seu filho, então é normal que surjam inúmeras dúvidas, especialmente quando se está a viver esta situação pela primeira vez.

Todos sabemos que a entrada de um filho para o ensino superor implica que se somem novos custos às despesas mensais e, por isso, é necessário que se faça um planeamento devidamente estruturado sobre o que irá gastar.

Fique connosco e conheça os dados do estudo “O Custo dos Estudantes no Ensino Superior Português”, do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, que se debruça sobre este tema. Note que este estudo serve apenas como base, uma vez que foi realizado tendo em conta o ano letivo 2015-2016, pelo que há valores que estão já desatualizados, como o das propinas, por exemplo.

QUANTO CUSTA TER UM FILHO NO ENSINO SUPERIOR

jovem a entrar para a faculdade

Se a sua dúvida é saber quanto custa ter um filho no ensino superior e anda preocupado com o assunto, então saiba que a resposta é bastante simples. Em média, ter um filho no ensino superior, custa cerca de 6 mil euros por ano (500 euros por mês).

Este valor foi uma conclusão do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Para além disso, o estudo indica também que quase 75% desse montante é destinado apenas às despesas de alojamento, transporte e alimentação.

Para ter uma noção, em 2019, matricularam-se no ensino superior 385.247 mil estudantes. Estas estatísticas são fornecidas pelo Pordata e indicam que um elevado número de indivíduos pretendem prosseguir os seus estudos.

A verdade é que frequentar a universidade se torna bastante dispendioso, principalmente quando o seu filho vai estudar numa cidade que não a de residência.

Se este for o caso do seu filho, as despesas a ter em consideração são a alimentação, o alojamento e as deslocações entre a universidade e a cidade de residência. Acrescente ainda eventuais gastos com o telemóvel, internet móvel e lavandaria, por exemplo. Estes representam cerca de 500 euros mensais, tal como mencionamos em cima.

Propinas

Para além disso, e independentemente de mudar ou não de local onde reside, para poder continuar os estudos, a entrada do seu filho na universidade implica o pagamento de propinas. Este valor pode, ou não, ser diminuído caso exista uma bolsa de estudos ou apoio social, e ainda gastos em impressões e fotocópias e compra de livros.

Em relação às propinas, é importante salientar o facto de que estamos perante a propina mais baixa dos últimos anos, no ensino superior público. Atualmente o valor máximo da propina em qualquer instituição pública, não pode ultrapassar os 871,52 euros anuais.

Como pode verificar, saber quanto custa ter um filho no ensino superior irá depender de alguns fatores determinantes.

Como são divididos os gastos?

Para que não tenha qualquer tipo de dúvidas, os valores apurados pelo estudo “O Custo dos Estudantes no Ensino Superior Português”, foram os seguintes:

  • 1.718 euros – nas propinas, material escolar e livros;
  • 4.727 euros – em transporte, alimentação e alojamento.

O que significa, portanto, uma despesa mensal em média de 537 euros.

DIFERENÇAS de custos no ensino

Ensino público vs ensino privado

Relativamente a quanto custa ter um filho no ensino superior, o estudo mostra que no ensino privado a redução de custos foi mais acentuada. O estudo também revela uma descida de 6% nos gastos do ensino público universitário, e que no politécnico subiram as quantias associadas à vida do aluno.

Os gastos modificam-se se estivermos a falar das faculdades e politécnicos privados. Por exemplo: no caso do ensino superior privado cada estudante gastou em média naquele ano letivo 10 mil euros. Em relação ao politécnico privado, a despesa foi de 8.296 euros.

No que diz respeito ao ensino público nas universidades, o valor era de 5.576 euros e no politécnico 6.173 euros.

Litoral vs interior vs regiões autónomas

Estas diferenças de valores também se fazem sentir no litoral, interior e regiões autónomas. Em média, um aluno a estudar no litoral gastou 6.563 euros por ano, enquanto os mesmos custos no interior representaram um valor de 5.854 euros e 5.186 nas ilhas.

Em suma

Portanto, se o seu filho vai estudar numa universidade perto de casa, é natural que os custos sejam mais baixos do que os representados aqui. Isto porque retiramos os custos associados ao alojamento, alimentação e eventualmente, transporte.

Se se tratar de um aluno que frequente o ensino superior público, a estudar no local onde reside, os custos rondam os 1.500 euros por ano. Neste valor está considerado o valor das propinas (871,52 euros), os custos em transportes (cerca de 360 euros) e eventuais gastos em livros e fotocópias.

No caso de o seu filho optar por frequentar o ensino superior privado, os custos irão depender do valor das propinas estipulado por cada universidade. Evidentemente que esta se torna numa despesa bem mais alta comparativamente à do ensino público.

Tendo esta maior consciência do quanto custa ter um filho no ensino superior, aponte todas as despesas que poderá vir a ter e faça os seus cálculos. Realizar uma poupança para este objetivo pode ser uma estratégia prudente.

Veja também