ebook
           
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Patrocinado por Escola Virtual - Grupo Porto Editora
Luana Freire
Luana Freire
15 Jul, 2022 - 13:21

Incêndios e calor: conselhos para minimizar riscos respiratórios

Luana Freire

Onda de calor, incêndios e riscos respiratórios em alta: recomendações preventivas da Sociedade Portuguesa de Pneumologia.

Diante da atual onda de calor e dos incêndios que estão a ocorrer em Portugal, a Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) divulgou um conjunto de conselhos para minimizar os riscos de complicações respiratórias – as medidas são especialmente importantes de adotar por pessoas que sofrem de patologias crónicas.

Os danos respiratórios causados pelos incêndios e ondas de calor

Os meses de sol pleno, com os seus dias de sol quente e praia, podem fazer as alegrias de muitos, mas a verdade é que estas alturas são conhecidas pelo registo frequente de casos de aparecimento, descompensação ou agudização das doenças respiratórias.

Num comunicado, a SPP alerta para os perigos da exposição prolongada a temperaturas elevadas, que pode afetar a saúde em geral, sendo particularmente mais grave para quem já sofre com problemas respiratórios.

Nas zonas rurais, ao problema das ondas de calor soma-se outra questão: os habituais incêndios que deflagram em Portugal por esta altura do ano.

O calor excessivo, a poluição automóvel nos centros urbanos e as grandes quantidades de poluentes libertadas durante os fogos no interior do país têm repercussões importantes na qualidade do ar, com consequências potencialmente graves na saúde.

De acordo com a SPP, “vários estudos demonstram que, nos dias de calor excessivo, ocorre um aumento da mortalidade, sobretudo por doenças respiratórias e cardiovasculares”.

Para prevenir as possíveis complicações respiratórias durante as ondas de calor e os períodos de incêndios, siga as recomendações de segurança que deixamos de seguida.

Incêndios: 10 conselhos para minimizar os riscos respiratórios

  1. Use máscara para proteger a boca e o nariz, ou lenços húmidos.
  2. Permaneça no interior das habitações e mantendo portas, janelas e tampas de lareiras fechadas. Se preciso, pode mesmo tapar as frinchas com panos molhados.
  3. Use sistemas de purificação de ar. Se tem ar condicionado, acione a opção de recirculação de ar – mas lembre-se: não utilize quaisquer aparelhos elétricos se o incêndio é no seu imóvel e saia imediatamente do local.
  4. Se precisa de ir à rua numa zona com fumo, leve consigo um pano molhado para tapar nariz e boca.
  5. Se, dentro de casa, a temperatura estiver muito elevada e não tem ar condicionado, procure outro abrigo. Pode tentar ser evacuado para uma zona com menos fumo.
  6. Se ficar em casa, não fume e não acenda velas, nem acione qualquer aparelho que funcione a gás ou a lenha. Evite tudo o que puder aumentar a poluição no interior do seu imóvel.
  7. Se precisa de atravessar de carro uma zona com fumo, na descuide: mantenha as janelas e os ventiladores fechados. Se ligar o ar condicionado, faça-o na função de recirculação.
  8. Diante de uma atmosfera com fumo, faça os possíveis para respirar devagar, manter o controlo e não entrar em pânico.
  9. Tenha sempre consigo a medicação de socorro (SOS) e utilize-a, caso necessário. Recorra ao médico ou ao serviço de urgência mais próximo se não tiver melhoras no seu estado.
  10. Quem sofre de doença grave ou de qualquer situação que as debilite, especialmente nas situações de calor, não deve colaborar no combate aos incêndios.

Ondas de calor e riscos respiratórios: 5 conselhos para os dias de temperaturas elevadas

  1. Evite estar no exterior e exposto ao sol, especialmente entre as 11 e as 17 horas.
  2. Use roupas largas e frescas, e procure evitar grande exposição da superfície corporal ao sol. Escolha tecidos naturais, como o algodão, e cores claras. As roupas de tecidos sintéticos não são recomendadas.
  3. Hidrate-se regularmente e tenha especial atenção às crianças e aos idosos: beba água ou sumos de fruta natural, mesmo sem ter sede, e evite bebidas alcoólicas, gaseificadas, com cafeína, ricas em açúcar ou quentes.
  4. Dê uma pausa n prática de atividade física, mas se escolher fazer opte pelas alturas mais frescas do dia e nunca se esqueça da hidratação.
  5. Esteja atento a qualquer sintoma de agudização de doença crónica de que sofra: tome diariamente e de forma correta a sua medicação, siga os conselhos do seu médico assistente e consulte-o se houver agravamento das queixas.

Mantenha-se em segurança nestas alturas do ano, esteja atento aos riscos respiratórios – especialmente no caso das crianças, idosos e pessoas com doença crónica – e não descuide da prevenção.

Veja também