Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Catarina Mesquita
Catarina Mesquita
12 Set, 2019 - 09:14

9 coisas importantes que não vai aprender na universidade

Catarina Mesquita

O ensino superior é todo um mundo de aprendizagem, no entanto, saiba que há coisas que não vai aprender na universidade. Ficou curioso, certo?

9 coisas importantes que não vai aprender na universidade

É verdade que na faculdade aprenderá as competências que servirão de base ao desempenho como profissional da sua área, e isso será, evidentemente, fundamental. No entanto, há coisas que não vai aprender na universidade, mas sim pela vida fora, através da experiência de vida e ao longo do exercício prático da profissão que escolher para si.

Na verdade, a vida é feita de desafios particulares que vão povoar o seu caminho pessoal e profissional. Se a teoria que aprende é fundamental, também a prática o será, e de forma decisiva, fazendo de si um profissional mais completo.

O que não vai aprender na universidade

jovem a estudar para aprender na universidade

1. Resolver situações de exceção à regra

Por mais que a teoria lhe ensine como reagir perante determinada situação, há sempre exceções muito particulares, que constituem exceções à regra. Perante estas adversidades, terá de usar a sua inteligência, bom-senso e experiência para resolver eficazmente os problemas que lhe são apresentados.

2. Lidar com a crítica

Se está habituado a que, na faculdade, lhe digam que é muito bom aluno, saiba que o mundo real está cheio de pessoas diferentes, muitas delas tubarões que não hesitarão em deitá-lo abaixo com uma crítica feroz. Nessas alturas, há que respeitar a crítica, concordando ou não com a mesma, ignorando o que for meramente nocivo e mal-intencionado e crescer com os comentários que, de facto, têm razão de ser.

3. Assumir responsabilidades por erros cometidos

Uma das coisas que não vai aprender na universidade é a assumir responsabilidades por erros que cometeu. Assim, mesmo aplicando tudo que aprender na faculdade, vai, como toda a gente, cometer erros, e isso é humano e pode ser uma grande aprendizagem também. Nessas ocasiões, terá de juntar os cacos partidos, assumir culpas e procurar soluções.

4. Saber o que é esperado de si em diferentes entrevistas de trabalho

Outras das coisas que não vai aprender na universidade é como agir numa entrevista de trabalho específica, isto porque posições e empresas diferentes esperam atitudes específicas numa candidatura. Por isso, só confrontado com essa situação, poderá pesquisar a empresa em questão e agir de forma conveniente e correta, sendo, conteúdo, sempre honesto.

professor a dar aula em auditório

5. Conseguir uma rede de contactos

Sim, certamente vai ouvir falar imenso sobre o networking e sobre o impacto que uma boa rede de contactos pode ter no seu sucesso profissional. O que não lhe vão ensinar é a desenvolver essas relações. Construir uma boa rede de contactos implica mais do que conhecer uma série de profissionais que possam trazer-lhe benefícios para a sua carreira. É importante que saiba que estas relações funcionam nos dois sentidos. Estes contactos devem ser pessoas que o inspirem, que o desafiem e que possam resultar em relações benéficas para ambas as partes.

Ter uma boa rede de contactos é, de facto, fundamental para crescer ao longo da sua carreira. Só quando sai do microcosmos universidade para o mundo real é que se aperceberá do quão importante é ter conhecimentos em várias áreas, para que portas se abram e para que resolva diversos problemas relacionados com o quotidiano no trabalho.

6. Fazer um bom Curriculum Vitae

Alguns professores poderão ter a intenção de ajudar neste sentido, mas não é regra. Por isso, quando terminar o seu curso, é importante que aprenda a fazer um bom Curriculum Vitae, pois pode ser o seu primeiro passaporte para ser chamado a uma entrevista de trabalho e dar-se a conhecer a uma dada empresa.

Como vê, há várias coisas que não vai aprender na universidade, ainda que o ensino superior seja fundamental na sua formação e lhe traga também tantas aprendizagens fantásticas e fulcrais.

7. O seu trabalho não vai estar limitado à formação académica

Pode estar ou não. Mas no mercado de trabalho atual isso dificilmente acontece. Muitos profissionais têm formação numa determinada área, mas desempenham tarefas de áreas distintas. E se para uns se tratou de uma mudança de percurso e até de carreira mais radical, para outros é um complemento.

Como sabe, cada vez mais se espera que os profissionais estejam capacitados para dar resposta a várias necessidades da empresa e isso implica, muitas vezes, ter conhecimentos e competências em áreas que nada têm a ver com a área de formação. Se tiver competências que possam ser usadas noutras áreas tanto melhor, porque vai abrir o seu leque de possibilidades de atuação.

8. Estar preparado para o mercado de trabalho

Uma das coisas que não vai aprender na universidade é, sem dúvida, a estar preparado para o verdadeiro mundo do trabalho. Quando sair da universidade, depressa vai descobrir que não está devidamente preparado para o que vem pela frente. Pode ter sido um ótimo aluno e até saber a teoria na ponta da língua”, mas na realidade não está preparado para enfrentar o mercado de trabalho. A verdade é que, desde a procura de emprego ao trabalho propriamente dito, tem muito para aprender. Só depois de pôr as mãos na massa vai realmente desenvolver as competências necessárias para sobreviver no mercado de trabalho.

Se quiser realmente sair já com alguma estaleca”, nada como adquirir alguma experiência ainda enquanto estudante. Os estágios (de verão, por exemplo), part-times ou empregos de verão são boas escolas.

9. Comunicar e negociar eficazmente

Independentemente da sua área ou atividade profissional, estas são duas competências fundamentais e determinantes para o seu sucesso profissional. Em qualquer vertente da sua vida vai ter de interagir com as pessoas que o rodeiam e isso inclui os seus colegas de trabalho e chefias. Saber comunicar é importante, não só para transmitir as suas opiniões e ideias, mas também para negociar os termos do seu contrato de trabalho ou dos detalhes de um determinado projeto, por exemplo.

Esta capacidade passa em muito por observar as normas sociais instituídas num determinado ambiente (o ambiente do seu local de trabalho, por exemplo) e por saber estabelecer algumas regras próprias.

Da universidade para o mundo real

Enquanto estudante, é normal focar o seu futuro profissional com base no desenvolvimento das competências técnicas e teóricas relacionadas com as áreas nas quais pretendem trabalhar. De lado fica o mercado de trabalho e as suas especificidades (que são muitas). Claro, que este conhecimento do mercado de trabalho e até as suas competências vão sendo desenvolvidas com o tempo e com a experiência, mas se dominar logo à partida as que lhe apresentamos anteriormente, vai ver que tem o trabalho facilitado daqui para a frente.

Veja também