Publicidade:

Cancro do pâncreas: causas, sintomas e tratamento

Apesar de ser pouco comum, o cancro do pâncreas é o que apresenta a menor taxa de sobrevivência. É importante que fique a saber tudo sobre este tema.

Cancro do pâncreas: causas, sintomas e tratamento
Conheça a doença como a palma da sua mão

Todos os anos em Portugal são diagnosticados cerca de 1000 novos casos de cancro do pâncreas, a maioria num estado já avançado. Os sintomas, como em tantos outros casos, são pouco específicos e aparentemente insignificantes, o que dificulta a o estado de alerta do paciente e a identificação da doença. É precisamente por este motivo que é crucial que conheça este cancro de A a Z e saiba como agir.

Rápido e silencioso, o cancro do pâncreas obriga a um diagnóstico atempado para que possa haver o máximo sucesso possível – e, ainda assim, é tarefa complicada. As causas, os sintomas e os possíveis tratamentos: saiba tudo sobre o pesadelo de tanta gente.

Tudo sobre o cancro do pâncreas


Como 12º mais comum a nível mundial, o cancro do pâncreas representa a 8º causa de morte nos homens e a 9º na população feminina. A taxa de sobrevivência, essa, é bem assustadora: aos 5 anos de doença estima-se que apenas 5% dos doentes sobrevivam. No fundo, a esperança média de vida dos doentes depende, em grande parte, do estádio inicial do cancro e da possibilidade de ser operável.

O tecido pancreático é constituído pelas células exócrinas e endócrinas, que produzem enzimas e hormonas, respetivamente. Numa situação normal, originam novas células e morrem naturalmente sempre que necessário. O problema surge quando as células deixam de trabalhar corretamente e ficam descontroladas, tornando-se células cancerígenas e com alterações no seu DNA.

Claro está que o caso pode tornar-se ainda mais grave se as células cancerígenas invadirem os tecidos que as circundam e se espalharem para outras partes do organismo. Esta metastização pode acontecer de 3 formas:

  • disseminação através de células que se soltam do tumor principal e viajam através dos gânglios linfáticos ou da corrente sanguínea;
  • crescimento até invadir os órgãos mais próximos;
  • descamação do tumor principal, dando lugar a novos tumores.

Causas do cancro do pâncreas

alimentação

Já não é novidade que diferentes tipos de cancro apresentam diferentes causas e fatores de risco – e o cancro do pâncreas não é exceção. Contudo, isto não significa que ter um fator de risco (ou vários) origine obrigatoriamente a doença, já que muitas pessoas desenvolvem cancro sem estarem sujeitas a qualquer fator de risco aparente. Ainda assim, é importante que os conheça:

  • Consumo excessivo de álcool;
  • Tabaco;
  • Obesidade;
  • Idade;
  • Histórico familiar de doença;
  • Diabetes;
  • Pancreatite crónica;
  • Cirrose;
  • Problemas de estômago;
  • Dieta incorreta.

Sintomas do cancro do pâncreas

Os sintomas do cancro do pâncreas parecem bastante insignificantes e a tendência é nem sequer originarem preocupação. Afinal, vai ao hospital só porque lhe dói a barriga? Em alguns casos, o cancro nem apresenta sinais nas fases iniciais do seu desenvolvimento. E este é um dos grandes problemas desta doença que tira o sono a tanta gente. Por isso mesmo, deve ficar a conhecer os sinais a que deve dar atenção:

Tratamento do cancro do pâncreas

saiba quais são os tratamentos para o cancro do pâncreas

No que se refere ao tratamento do cancro do pâncreas, a primeira escolha do médico é a operação para eliminar o tumor. No entanto, e infelizmente, cerca de 80% dos pacientes não podem ser tratados cirurgicamente aquando do diagnóstico devido ao estado avançado da doença, que progrediu silenciosamente – em alguns casos pode até ter metastizado.

Assim, quando não é possível passar para a operação, resta optar pelo tratamento através de quimioterapia ou de radioterapia. O objetivo é procurar aumentar a sobrevivência do paciente e manter a sua qualidade de vida.

Veja também:

Inês Pereira Inês Pereira

Licenciada em Jornalismo e Pós-Graduada em Branding e Content Marketing, sempre se deu bem com a escrita. Embora prefira escrever com um teclado, não acredita nessa ideia de ler um livro através de um ecrã: um livro lê-se em papel e tem um marcador. Gosta de fotografia, de história e de conhecer o mundo.