Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Afonso Aguiar
Afonso Aguiar
02 Out, 2019 - 15:21

Conduzir o carro em baixas rotações ajuda a poupar combustível?

Afonso Aguiar

É um pensamento recorrente, mas que pode ser potencialmente danoso. Conduzir o carro em baixas rotações pode prejudicar o motor do seu carro. Saiba porquê.

painel instrumentos carro

Procurámos desmistificar outro “ritual” praticado por quem conduz. Falamos do hábito de conduzir o carro em baixas rotações para poupar combustível.

Embora seja um pensamento que, na teoria, podia estar correto, esta prática pode não ser saudável para o carro. E será que poupa efetivamente combustível? Conheça todas as respostas neste artigo.

conduzir com o motor em baixas rotações: o que é?

conta rotações carro

Na gíria automóvel, é considerado que conduzir a baixas rotações é a referência para quando o regime de rotações do motor se situa entre as 1.500 e as 2.000 rpm nos motores a gasolina e entre os 1.000 e os 1.500 rpm nos diesel.

Qual o fundamento para afirmar que conduzir em baixas rotações poupa combustível?

É um dos mitos mais pregados no mundo da condução. Porém, apesar de haver uma relação direta entre o número da velocidade ou mudança a que conduz, as rotações por minuto e a injeção de combustível – quanto maior for o nº da mudança e menor o número das rotações por minuto, menos combustível vai gastar – por outro lado é também verdade que, em certas ocasiões, pode ocorrer exatamente o oposto ou até prejudicar o motor.

Este mito começou a ser pregado essencialmente quando começou a ser implementado o downsizing na indústria automóvel. Esta prática é sinteticamente explicada através do recurso de motores com menor cilindrada, impulsionando a cavalagem com a introdução de turbos.

Assim, houve um aumento do número de velocidades na caixa, sendo que hoje em dia é comum ver-se automóveis com seis e sete mudanças diferentes.

O objetivo desta prática passa, essencialmente, por melhorar os consumos, diminuindo a necessidade de conduzir a altas rotações.

No entanto, há uma diferença entre não conduzir a altas rotações e circular a baixas rotações, sendo que o ideal é que o carro esteja entre as 1.500 rpm e as 3.000 rpm num automóvel diesel e entre as 2.000 e as 3.500 rpm num a gasolina.

É precisamente nessa faixa de circulação que o automóvel poupa mais combustível e trabalha com menor esforço.

Além disso, se conduzir a baixas rotações, pode inclusive aumentar os consumos. Isso acontece muitas vezes durante a condução, principalmente em estradas nacionais ou dentro de cidades, quando o condutor necessita de fazer súbitas mudanças de velocidade.

Caso circule em rotações mais baixas e necessite acelerar, o automóvel vai automaticamente injetar mais combustível do que numa aceleração normal – isto porque uma vez que está a circular nos requisitos mínimos, vai ser necessário um maior esforço para poder acelerar.

Perigos de conduzir o carro em baixas rotações

homem a conduzir carro

Os perigos de conduzir em baixas rotações residem essencialmente no motor e nos filtros de partículas, sendo que nenhum dos dois tem um arranjo barato.

Abaixo do regime ideal, o automóvel começa a vibrar e a criar esforços internos desnecessários para manter-se em circulação, prejudicando esses dois sistemas.

Além disso, há outro perigo comum à prática de conduzir o carro em baixas rotações por minuto. Se o automóvel está a cumprir os requisitos mínimos, significa que, a qualquer momento, dependendo de obstáculos, travagens bruscas ou uma subida, pode ir abaixo rapidamente.

Finalmente, tal como no caso de conduzir em ponto morto, há um risco sério para a vida do condutor.

O carro, a baixas rotações, acaba por ficar menos propenso a reações súbitas – aquelas que acontecem no dia-a-dia, como desvios se última hora e a necessidade de travar ou acelerar repentinamente. Assim, com o tempo de reação do carro a diminuir, o risco de ter um acidente aumenta.

Assim sendo, se quer poupar combustível e evitar males maiores no futuro, o melhor mesmo é conduzir entre as 1.500 rpm e as 3.000 rpm num automóvel a gasóleo e entre as 2.000 e as 3.500 rpm num a gasolina.

Veja também