Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Marta Maia
Marta Maia
18 Out, 2019 - 13:02

5 dicas financeiras para recém-licenciados

Marta Maia

Pronto para a vida adulta? Descubra uma mão cheia de dicas financeiras para recém-licenciados e comece já com o pé direito.

Terminar o curso é um momento marcante na vida de qualquer um: acaba a vida de estudante, em que praticamente tudo o que fazemos depende das indicações de terceiros, e começa uma nova fase de independência.

Tal independência, no entanto, também significa autonomia financeira – e essa pode não ser tão simples de gerir como julgávamos. Por este motivo, reunimos algumas dicas financeiras para recém-licenciados que o ajudam a saber por onde começar e que princípios básicos deve seguir para começar a vida adulta com o pé direito.

Dicas financeiras para recém-licenciados

É importante, antes de mais, que tenha consciência de que as opções que tomar agora podem impactar o futuro de forma significativa.

Falamos de decisões corriqueiras, como comprar roupa ou aproveitar o dinheiro para viajar, mas falamos sobretudo de compromissos a longo prazo que, parecendo inócuos agora, podem complicar tudo mais tarde, como assinar um empréstimo para comprar um carro ou dar entrada na compra de uma casa.

Assim, convém que pense sempre a muito longo prazo. Antes de assinar qualquer documento, pergunte-se por quanto tempo se vai comprometer e como espera que seja a sua vida no último dia desse compromisso. É precisamente por aí que começamos as nossas dicas financeiras para recém-licenciados.

1. Pense sempre a muito longo prazo

A vida ainda vai no início e é difícil pensar já no que vai acontecer nos próximos vinte anos, mas eles vêm a caminho e a verdade é que as decisões tomadas hoje podem ter consequências no futuro. Antes de se comprometer com créditos ou outro tipo de encargo financeiro, pense de forma realista em como será a sua vida no último dia desse compromisso.

Por exemplo, se partir para a compra de um carro e ponderar comprometer-se com um crédito a dez anos para pagá-lo, pense em como deve estar daqui a dez anos. Terá uma casa? Terá uma família?

O objetivo é que não se precipite e não comprometa a sua capacidade de gestão futura só porque agora, ainda livre de responsabilidades, teve um impulso consumista. O carro novo pode fazer um brilharete nos próximos dois anos, mas se daqui a dez for complicado conciliar o pagamento das mensalidades com a creche de um bebé vai desejar, com certeza, ter pensado melhor sobre o assunto.

2. Faça um orçamento

Não se assuste, que não vamos incluir nas dicas financeiras para recém-licenciados o lema “cortar já, o máximo possível”. A ideia de criar um orçamento é saber em que ponto está. Quanto ganha? Quanto gasta? De quanto é o saldo?

O objetivo principal de um orçamento familiar é não precisar de planos de emergência. Se o orçamento for bem construído e acompanhado com atenção, dificilmente terá de se preocupar com a falência. Vai saber exatamente quanto pode gastar e quando precisa de fazer crescer os rendimentos para enfrentar os desafios do momento.

3. Elabore um plano de ação

É tudo uma questão de estratégia e, se está a ler as nossas dicas financeiras para recém-licenciados, é porque tem consciência da importância da estratégia. Sente-se com tempo e pense nos objetivos que quer cumprir e em que prazos.

No seu horizonte devem estar objetivos ainda longínquos, como a reforma, mas também alguns mais próximos, como constituir família ou começar a montar uma casa.

família a entrar na casa nova sem mobília
Veja também Primeira casa: o que comprar (checklist com todos os essenciais)

Estabeleça prioridades e comece a categorizar o seu dinheiro nas proporções certas: se quer ter uma casa nos próximos cinco anos, por exemplo, vai querer enviar para essa poupança uma fatia maior do orçamento do que para a poupança-reforma.

Ter um plano também o ajuda a manter-se focado nos seus objetivos. Saber para onde está a canalizar as energias é essencial para não desmotivar e cair no erro de parar de poupar.

4. Assuma um passo de cada vez

Assinar o crédito do carro no mesmo dia em que reserva umas férias do outro lado do mundo não é a melhor forma de organizar as finanças. Uma das melhores dicas financeiras para recém-licenciados é que encarem as finanças da mesma forma que encaravam as disciplinas na faculdade: uma de cada vez.

Ainda que tenha muitos objetivos a curto-prazo que queira (e esteja pronto para) cumprir, cuide de um de cada vez. A sobreposição de tarefas pode fazer com que perca o foco, bem como o controlo do que está a gastar e como.

Independentemente da sua situação financeira, aborde sempre um assunto de cada vez e, se possível, em semanas diferentes, para ter tempo de “processar” tudo.

Desafio das 52 semanas: poupe 1378€ em apenas um ano
Veja também Desafio das 52 semanas: poupe 1378€ em apenas um ano

5. Leia tudo

Esta está nas dicas financeiras para recém-licenciados e para toda a gente, na verdade. Não se assinam documentos financeiros sem ler tudo, até as letras pequeninas. Mesmo quando achamos que já fizemos aquilo antes e que o contrato vai ser semelhante aos outros.

Lembre-se de que a sua assinatura é uma prova de concordância, e por isso ao assinar está a declarar que aceita tudo o que diz no documento.

Aproveite para refletir sobre as alíneas todas, sempre de acordo com o primeiro ponto desta lista. Por exemplo, pode não fazer diferença agora aquela parte em que aceita ficar impossibilitado de amortizar um empréstimo antecipadamente, mas daqui a uns anos, tendo o dinheiro disponível e precisando de libertar-se de obrigações, pode arrepender-se de não ter pensado melhor.

De resto, as famosas letras pequenas dos contratos são quase sempre o esconderijo de regras pouco benéficas para o consumidor, pelo que todo o cuidado é pouco na hora de assinar.

Veja também