ebook
Ebook Finanças (s)em Crise
Um guia para tempos complicados
Marta Maia
Marta Maia
20 Abr, 2021 - 16:03

6 dicas financeiras para quem está na casa dos 20 anos

Marta Maia

A idade de ouro para poupar é aquela em que menos se pensa nisso. Reunimos as melhores dicas financeiras para quem está na casa dos 20 anos.

Dicas financeiras para quem está na casa dos 20 anos

O início da vida adulta tem tudo para ser uma espécie de paraíso: somos jovens, não temos ainda grandes obrigações, já trabalhamos e ganhamos o nosso dinheiro e, melhor de tudo, temos poucas explicações a dar sobre o que decidimos fazer com ele.

No entanto, esta é também uma etapa decisiva para o futuro. É aqui que começa (ou não) o nosso percurso de poupança, que vai ditar a margem de manobra com que vamos viver nos próximos anos. Reunimos, por isso, as melhores dicas financeiras para quem está na casa dos 20 anos: para ajudá-lo a aproveitar a melhor fase da vida sem comprometer o que vem a seguir.

Dicas financeiras para quem está na casa dos 20 anos

1

Faça as contas bem feitas ao salário

É natural que, no início da carreira, o salário não seja espetacular, mas mais importante do que ganhar muito dinheiro é saber, exatamente, quanto se está a ganhar. Falamos de salário líquido, salário bruto e suplementos.

Esta é, de resto, a primeiríssima lição financeira que se deve aprender aos 20 anos: um salário não é só o dinheiro que aparece na conta no final de cada mês – importa saber quanto está a descontar e como, porque é esse valor que vai influenciar o resultado de episódios menos bons no futuro. Basta pensar que subsídios de desemprego, baixas, pensões e até a reforma são calculados com base no salário bruto, e não com base no salário líquido.

Contas feitas, a dica neste caso é de atenção: não se deixe enganar por salários líquidos simpáticos à custa de suplementos e ajudas de custo; no final do dia, é o salário bruto que tem de ser justo. Qualquer coisa menos que isso põe em causa o conforto financeiro futuro.

2

Comece já a pensar na casa que quer ter

Mesmo que, aos 20 anos, não esteja a pensar em comprar uma casa, é nessa idade que pode começar a preparar-se para comprar uma.

A aquisição de um imóvel pressupõe despesas iniciais avultadas como o valor de entrada e da escritura – quanto mais dinheiro tiver poupado para dar início ao processo, menor vai ser o valor pedido ao banco e, claro, menores serão as prestações a pagar daí em diante.

Assim, uma das melhores dicas financeiras para quem está na casa dos 20 anos é que comece já a poupar para comprar casa, mesmo que essa compra só venha a acontecer muitos anos depois.

O seu “eu” de 35 anos vai agradecer-lhe muito quando descobrir que não só tem capacidade de pagar a pronto uma parte substancial da casa como ainda por cima fica com uma prestação mensal suave.

poupança jovens
3

A reforma começa agora

Da mesma forma que é importante começar a preparar a compra de uma casa, também é sensato começar a preparar a reforma.

Claro que, neste caso, o esforço não tem de ser tão grande, até porque a reforma estará bem mais distante do que a compra de um imóvel. Ainda assim, pense que o que começar a poupar hoje terá muito para valorizar até ao dia em que parar de trabalhar.

A poupança para a reforma, nesta fase, não tem de ser muito substancial. Basta reservar uma pequena parte dos rendimentos, escolher uma boa estratégia de rentabilização e deixar que a evolução dos mercados faça o resto. Hoje o esforço vai ser residual, mas no futuro o retorno será substancial.

fundos e seguros ppr
Veja também Fundos ou seguros PPR: qual a melhor opção para poupar?
4

Estude o funcionamento dos mercados financeiros (e aventure-se)

Uma das grandes vantagens de ser jovem e independente é que as consequências de aplicar dinheiro em investimentos de risco são muito menores.

Aproveite que tem tempo e não vive com o orçamento apertado para ir fazendo experiências com o mercado financeiro e aprendendo o que funciona melhor e pior.

Para já, e porque estas são dicas financeiras para quem está na casa dos 20 anos, não vale a pena explorar em detalhe todas as possibilidades de investimento com as respetivas vantagens e riscos.

A ideia é usar uma quantidade pequena de dinheiro e ir explorando opções, para começar a compreender a linguagem financeira e até a sua relação pessoal com o risco e a perda.

Quando, daqui a uns anos, estiver menos disposto a perder dinheiro com experiências, já terá conhecimentos suficientes para gerir uma boa carteira de investimentos, equilibrando o retorno e o risco de acordo com os seus objetivos. 

Mulher a investir em ETFs via smartphone
Veja também Investir em ETFs é rentável?
5

Adira já a um seguro de saúde

Este conselho pode parecer meio deslocado numa lista de dicas financeiras para quem está na casa dos 20 anos, mas acredite que é valioso. Sai muito mais barato fazer um seguro de saúde aos 20 anos do que aos 30 ou aos 40, pelo simples facto de que as seguradoras assumem que os mais jovens são mais saudáveis e vão recorrer menos aos reembolsos.

Na verdade, ao fazer um seguro de saúde com 20 anos não está só a precaver-se para o agora, mas está, sobretudo, a preparar terreno para as próximas décadas: ainda que o prémio do seguro aumente com o avanço da idade, a antiguidade do contrato vai controlar essa subida.

Além do controlo dos valores, coloca-se a questão dos tempos de carência. Há coberturas específicas, como os partos, por exemplo, que têm tempos de carência de um ou mais anos. Se prevê que um dia vai querer usar essas coberturas, mais vale fazer já o seguro para não ter de se preocupar depois.

6

Aproveite o dinheiro, mas respeite-o

Não seria sequer razoável esperar que um jovem de 20 anos faça vida de monge franciscano. O dinheiro é, sim, para aproveitar, sobretudo nesta fase em que são poucas as obrigações e os compromissos, mas é importante garantir que todos os gastos fazem sentido e são justificáveis.

Falamos, por exemplo, da diferença entre usar o dinheiro para fazer a viagem com que sempre sonhou e usar o mesmo dinheiro para renovar o guarda-roupa em cada nova estação. No primeiro caso está em causa uma atividade que, muito provavelmente, não conseguirá fazer mais tarde quando a vida se complicar; no segundo caso está em causa puro consumismo.

A regra, neste caso, é a do arrependimento: questione-se sempre se é possível arrepender-se daquela compra daqui a uns anos, quando estiver a precisar de dinheiro para um projeto grande. Se a resposta for positiva, então mais vale respeitar o dinheiro (e o esforço que fez para ganhá-lo) e guardá-lo para outros momentos.

Entende-se, assim, que as melhores dicas de poupança para quem está na casa dos 20 anos se resumem a compreender o mercado financeiro, preparar as poupanças do futuro e enraizar os hábitos de poupança que quer preservar para toda a vida. Esta é uma idade de inícios, e um bom ponto de partida dá sempre vantagem para o resto da corrida.

Veja também