Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Miguel Pinto
Miguel Pinto
06 Nov, 2019 - 15:10

Centenário de Sophia de Mello Breyner: conheça o programa

Miguel Pinto

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu a 6 de Novembro de 1919. Cem anos volvidos, Portugal celebra uma das suas maiores poetisas.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Comecei a escrever numa noite de Primavera, uma incrível noite de vento leste e Junho. Nela o fervor do universo transbordava e eu não podia reter, cercar, conter – nem podia desfazer-me em noite, fundir-me na noite’ (Sophia de Mello Breyner)

Nascida no Porto a 6 de novembro de 1919, Sophia é um caso ímpar nas letras em Portugal.

Nome maior da podia do século XX, Sophia de Mello Breyner tem na musicalidade dos seus versos uma intrínseca vontade de liberdade, um clamor que se solta a cada sílaba, sempre iluminado pela lucidez e a imaginação fantástica que tem maravilhado gerações.

Há cem anos, Sophia nascia e mundo anunciava a chegada de uma nova voz que iria gritar bem alto valores essenciais à dignidade humana.

De descendência  dinamarquesa por parte do seu avô Jan Andresen, que desembarcou um belo dia no Porto para nunca mais partir, Sophia de Mello Breyner Andresen viveria os seus primeiro anos de vida na Quinta do Campo Alegre, actualmente o fantástico Jardim Botânico da Invicta.

Começou por estudar no Colégio do Sagrado Coração de Jesus, rumando depois a Lisboa para estudar Filologia Clássica, curso que nunca iria terminar.

É por esta altura que começa a dar os primeiros passos públicos nas letras, com colaborações em publicações como a revista “Cadernos de Poesia”, onde conheceu autores já então influentes, como Ruy Cinatti ou Jorge de Sena.

Inicia também aqui a sua intervenção cívica, contestando de forma aberta o regime de António Oliveira Salazar, luta que inicia junto de alguns movimentos monárquicos e católicos.

Em 1946, casa-se com Francisco Sousa Tavares, advogado e também opositor do regime de então. Desta união nasceram cinco filhos, entre os quais o jornalista e escritor Miguel Sousa Tavares.

Para além de poetisa de excepção, Sophia de Mello Breyner foi tradutora, escreveu contos e, claro está, alguns dos mais celebrados livros infantis das letras portuguesas, como A Menina do Mar, o Cavaleiro da Dinamarca, A Fada Oriana ou A Floresta.

centenário de sophia de mello breyner: programa

Sophia de Mello Breyner

Cem anos após o seu nascimento (faleceu a 2 de Julho de 2004, estando o seu corpo no Panteão Nacional), Portugal celebra uma das suas mais importantes poetisas, e mulheres, com um vasto programa que conta com eventos para todos os gostos e públicos.

Um olhar artístico sobre o Universo de Sophia (Lisboa)

“A Arte da Terra”, como espaço dedicado à cultura portuguesa, desafiou cerca de duas dezenas de artistas para uma abordagem artística ao universo de Shopia de Mello Breyner Andresen.

Autores de diferentes gerações e correntes artísticas (escultura, azulejaria, pintura…) apresentam as suas visões sobre o universo de um dos maiores vultos da cultura portuguesa, no momento do 100º aniversário do seu nascimento.

A exposição estará patente de 1 de Outubro a 10 de Novembro, todos os dias, entre as 11h00 e as 20h00.

A Floresta – Ópera Infantil (Bragança e Leiria)

O Estúdio de Ópera do Centro/Orquestra Filarmonia das Beiras, em parceria com a Universidade de Aveiro/INET-md e o Teatro Aveirense/Câmara Municipal de Aveiro, apresenta a ópera para crianças de Eurico Carrapatoso, A Floresta.

Trata-se deuma adaptação do conto homónimo de Sophia de Mello Breyner Andresen, com libreto de Isabel Alçada e Ana Maria Magalhães.

As récitas decorrerão no dia 9 de Novembro, no Teatro Municipal de Bragança e no dia 17 de Novembro, no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria.

Exposição ‘Lugares de Sophia’ em Lisboa

Com a exposição “Lugares de Sophia” pretende-se proporcionar uma interpretação visual da relação poética de Sophia de Mello Breyner Andresen com os lugares, com especial referência à paisagem marítima.

O convite feito aos fotógrafos António Jorge Silva, Duarte Belo e Pedro Tropa, visa pôr lado a lado o ponto de vista de três artistas que têm poéticas diferentes, dando corpo a uma inédita leitura da poeta.

Em Lisboa, “Lugares de Sophia” inaugurará a 12 de novembro, pelas 18h00, na ala sul do Claustro do antigo  Convento do Carmo – Quartel da Guarda Nacional Republicana, no Largo do Carmo, onde ficará patente até 21 de dezembro. Poderá ser visitada de 2ª a sábado, das 10h00 às 17h30.

Purgatório – A Divina Comédia

Uma criação teatral do Teatro O Bando, a propósito da tradução que Sophia de Mello Breyner Andresen fez do Purgatório, de Dante Alighieri (A Divina Comédia).

De 14 a 24 de Novembro de 2019, Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa.

Retrato do escritor Eça de Queiroz
Não perca Viajar com Eça de Queiroz: de Lisboa a Tormes

Sophia e as Artes – Ciclo de Conferências no Porto

Sophia de Mello Breyner Andresen revelou desde sempre uma atenção emocionada às relações entre a arte da palavra e as outras artes. Por isso é tão frequente na sua obra a convocação de referências artísticas.

Da música à dança, passando pela pintura, pela escultura ou pela arquitectura, a presença das artes é recorrente na sua obra quer no plano temático quer a nível das formas e dos ritmos.

O ciclo Sophia e as Artes, que comemora o centenário do nascimento de Sophia, terá lugar na Fundação de Serralves e na Biblioteca Municipal Almeida Garrett e será constituído por 5 sessões distribuídas pelos meses de Novembro (dias 16, 23 e 30) e Dezembro (dias 7 e 14).

As quatro primeiras sessões dedicar-se-ão a fazer dialogar a obra da poeta com uma arte, ou área artística: “Sophia e a Música”; “Sophia e a Dança”; “Sophia e as Artes Plásticas”; “Sophia e a Forma”.

Para esse diálogo foram convidados dois oradores, especialistas na obra de Sophia e na arte escolhida para a respectiva sessão. A última sessão deste ciclo será preenchida pela performance das artistas Angélica e Vuduvum, uma proposta inédita e concebida para esta comemoração.

Livro A Fada Oriana

Sophia: espólio, edição, crítica (Lisboa)

O Núcleo de Crítica Textual da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa promove no próximo dia 25 de novembro, às 18h, uma sessão dedicada a Sophia de Mello Breyner Andresen que contará com a participação de Gustavo Rubim, Luís Manuel Gaspar e Maria Andersen Sousa Tavares.

Esta iniciativa decorrerá no anfiteatro III e será moderada por João Dionísio.

Conto Musical ‘A Menina do Mar’

Uma das histórias mais amadas de Sophia transforma-se em conto musical, com actores e músicos a percorrer a história de uma menina que vive no mar – curiosa pela vida em terra –, de um menino que vive em terra – curioso pela vida no mar – e do encontro improvável entre estes dois mundos…

Não faltarão neste enredo um simpático golfinho clarinetista, um desconfiado caranguejo saxofonista, um misterioso polvo fagotista e tantos outros seres fantásticos, reunidos sob o olhar grave do contrabaixista, o Rei do Mar… Será possível chegar a um acordo para que todos vivam em harmonia?

Trata-se de uma reposição deste conto em forma teatral, sem qualquer edição ou adaptação do texto, de forma a privilegiar a sua prosa acima de tudo. Conta com música original escrita para pequena orquestra.

Entre 4 e 15 de  dezembro em Lisboa, no teatro LU.CA:

O Cavaleiro da Dinamarca

Projeto de dança clássica e contemporânea dirigido ao público infanto-juvenil, que une à literatura a dança, a música e o meio audiovisual.

Bailado em três atos baseado na obra homónima de Sophia de Mello Breyner Andresen, que apresenta em palco cerca de 90 alunos, dos 9 aos 20 anos, que recriam, pela dança, o texto de O Cavaleiro da Dinamarca.

As sessões decorrem a 13 de Dezembro (21h00) e 14 de Dezembro (16h00) no São Luiz Teatro Municipal, Sala Luís Miguel Cintra.

Veja também