Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
David Afonso
David Afonso
15 Jan, 2020 - 13:11

Vendas de carros a gasolina superaram as dos diesel. Sabe porquê?

David Afonso

As vendas de carros a gasolina foram superiores as vendas dos carros a gasóleo, algo que não acontecia desde 2003. Conheça os números e os motivos.

parque de estacionamento com carros

Virou a década, mudaram as tendências. Atualmente, as vendas dos carros a gasolina são maiores do que as vendas dos carros diesel.

Desde 2003 que o diesel era consecutivamente o combustível preferido pelos portugueses na hora de comprar carro, mas em 2019 a gasolina destronou o gasóleo no que toca às preferência do tipo de motor.

Mas fica a questão, porquê? É isso que vamos descobrir com os números e dados publicados pelas autoridades automobilísticas competentes.

AS vendas de carros a gasolina são superiores as do gasóleo: Porquê?

vendedor a mostrar carro novo

É preciso recuar até 2002 para os carros a gasolina serem a opção preferida dos portugueses. Isto diz bem do reinado e preponderância dos carros a gasóleo no panorama automobilístico português nas últimas duas décadas.

Os custos associados, abastecimento, rendimento em estrada ou a durabilidade do veículo são alguns dos motivos que levaram a que este reinado durasse até agora.

Segundo os números divulgados pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP), as vendas dos carros a gasolina representaram 49,2% do mercado de ligeiros de passageiros, já os veículos a gasóleo ficaram-se pelos 40%.

Estes valores são explicados pela incerteza sobre o valor e o prazo de vida dos motores a gasóleo. Fatores que têm vindo à praça pública devido aos escândalos da recente década que acabou, no caso, o Dieselgate. Estes fatores fizeram com que a partir de 2013, as vendas de carros diesel começassem a abrandar e a descer gradualmente.

É também de conhecimento geral que os motores diesel emitem gases de tipo COx e NOx bastante nocivos para a saúde humana, causadores de doenças como:

  • Cancro nos pulmões;
  • Bronquite Asmática / Asma;
  • Doenças pulmonares crónicas;
  • AVC;
  • Doenças Cardiovasculares;
  • Infeções respiratórias;
  • Probabilidade de Demência e Diabetes (Tipo II).

Também a nível comercial, e esta foi outra das razões pelas quais as vendas dos carros a gasolina superaram as vendas dos carros a gasóleo, os grandes mercados europeus, nomeadamente o Francês e Alemão, mostraram sinais de que estavam interessados em apostar mais fortemente nas motorizações a gasolina.

Para as construtoras, este tipo de motorização envolve menos custos de produção e está cada vez mais eficiente. Sendo estes dois mercados os principais players automóveis na Europa, era previsível que o impacto se alastrasse aos restantes países do velho continente.

2019: o ano da viragem

Para além dos números que já referimos de 2019, também as entidades corroboram esta mudança.

Segundo Hélder Pedro, secretário-geral da ACAP, “Com a discussão em torno do diesel e das restrições de circulação nas cidades, gera-se um adiamento das opções de compra dos particulares e das empresas”,

Pelos comerciantes falou Alexandre Ferreira, da Associação Nacional das Empresas do Comércio e da Reparação Automóvel (ANECRA), “É muito difícil comprar um carro a gasóleo por causa do diminuto valor residual. Isto pesa muito mais do que a consciência ambiental”.

Por outras palavras, a mentalidade do consumidor mudou e os condutores pensam duas vezes, procuram-se informar quando estão indecisos na compra de um carro. Já para não falar da também desvalorização de mercado que continuou sempre presente na sombra desde 2015.

Mas voltando aos números, as quotas de mercado que em cima referimos traduzem-se da seguinte forma: dos 223 799 ligeiros de passageiros comprados em 2019, 134 382 (49,2%) têm motor a gasolina e 89 417 (40%) têm motor a gasóleo.

A restante fatia de mercado automóvel, 10,8%, de 2019 sobrou para os carros “alternativos”: os carros elétricos, híbridos ou a gás natural.

Mas será que os carros a gasolina venderam mais do que os carros a gasóleo nas restantes classes de condução?

Segmentos de veículos: os números do gasóleo nas restantes categorias

pessoa a abastecer diesel em carro

A) Ligeiros de mercadorias

Se falarmos no caso dos ligeiros de mercadorias, a presença do motor a gasóleo é inequívoca: 99,1% dos 38 454 carros do mercado português continua a gasóleo e apenas 0,2% (90 veículos) a gasolina.

B) Carros elétricos

Entre os veículos alternativos, nota para os carros totalmente elétricos, que ficaram com 2,7% do mercado total de automóveis em 2019: foram vendidos 7 096 veículos sem emissões, mais 75,3% face a 2018. Tendência que já tínhamos abordado para o mercado dos carros elétricos em Portugal.

Tesla, Nissan e Renault, foram as marcas automóveis dominadoras em Portugal neste segmento.

C) Carros híbridos

Registou-se um aumento de 3,3% nos híbridos eléctricos/gasolina, para 8545 unidades, ao passo que os híbridos eléctricos/diesel registaram um crescimento quase nulo (883 carros vendidos).

D) Híbridos Plug In

Os híbridos plug-in/gasolina registaram um aumento 1,8% para 4 653 carros comprados. Já os plug-in/diesel cresceram 0,4% para 1 145 unidades.

E) GPL

Os automóveis a GPL/gasolina venderam 20 112 veículos, mais 0,8% que em 2018.

Contas feitas, somando os ligeiros de passageiros com os ligeiros de mercadorias, o balanço de 2019 diz-nos que as vendas dos diesel correspondem a 48,6% e as da gasolina são 42%.

É verdade que a quota dos diesel ainda é maior do que a dos automóveis a gasolina, mas mesmo assim, esta é a quota mais baixa do diesel na totalidade do mercado nacional em 15 anos.

E no que toca apenas a vendas de ligeiros (convenhamos, aquelas que interessam à grande maioria da população), as vendas dos carros a gasolina impressionam, e marcarão a tendência do panorama nacional automóvel dos próximos anos.

Veja também