Ekonomista
Ekonomista
15 Nov, 2019 - 17:40
mangueira de gasolina

Saiba quais são as principais desvantagens dos carros a diesel

Ekonomista

Quer comprar um carro a gasóleo? Antes de avançar com o negócio, saiba quais os principais problemas dos carros a diesel.

O artigo continua após o anúncio

Optar entre um carro a gasolina ou a gasóleo ainda hoje é um dos principais debates para quem está a pensar comprar um automóvel novo. Porém, apesar das várias análises e pensamentos diferentes, a dúvida permanece.

Ainda assim, a realidade é que os carros a gasóleo, apesar de financeiramente mais atrativos no que ao consumo e gastos em combustível diz respeito (o preço por litro é menor e gastam menos), estão em vias de extinção.

Consequência (ou não) do “Dieselgate”, na Europa, a venda deste tipo de automóveis tem diminuído e diversas cidades já anunciaram que vão proibir a sua circulação nos grandes centros urbanos devido às emissões poluentes dos motores a diesel.

6 problemas dos carros a diesel que deve conhecer

mostrador diesel

Será que deve mesmo apostar na compra de um carro a gasóleo? Está na altura de fazer “contas à vida”.

1. Mais caros

Sim, é verdade que o gasóleo continua a ser mais barato do que a gasolina. Ainda assim, o custo de compra deste tipo de carros é mais elevado e pode levar diversos anos a ser amortizado pela poupança de combustível.

Porém, vários estudos apontam no sentido de ser necessário cerca de 300 mil quilómetros para que a poupança em combustível compense em relação ao valor da compra.

Tendo em conta que para um português circular 15.000 km por ano é algo comum, pode haver situações que dure 20 anos para haver finalmente um benefício financeiro. Claro que se o condutor for bastante ativo – suponhamos uma média de 50.000 km por ano – apenas serão necessário seis.

Pode ainda fazer as suas estimativas no site do Automóvel Clube de Portugal (ACP). Na calculadora online do ACP pode descobrir quantos anos precisará para recuperar o valor que gastou a mais na compra de um carro a diesel.

O artigo continua após o anúncio

2. Não são aconselhados para viagens curtas

Uma das formas de combater a emissão de CO2 nos veículos a Diesel foi a invenção dos filtros de partículas, que têm por missão captar as partículas nocivas. Porém, este mecanismo necessita de uma temperatura bastante alta para começar a atuar com eficácia.

No entanto, apesar dos automóveis a diesel estarem desenvolvidos para baixas rotações e baixos consumos – o que indicaria maiores benefícios no uso urbano – a cidade acaba por os prejudicar.

É que os filtros de partículas necessitam de uma temperatura de cerca de 600 graus para poderem trabalhar. Menos do que isso e podem nem começar a atuar e, até, originar problemas nos FAP (filtros anti-partículas).

Como é fácil de calcular, o constante para-arranca citadino acaba por diminuir a temperatura a que o veículo e toda as suas componentes trabalham.

3. Vão cair em desuso

Devido às atuais normais europeias, cujo objetivo passa por diminuir as emissões de CO2 e, também, o facto do gasóleo ser mais poluente do que a gasolina, atualmente já 11 cidades europeias, incluindo Madrid e Paris, anunciaram a intenção de proibir a circulação de veículos a diesel a partir de 2025.

Porém, ainda antes disso, só será permitida a circulação dos modelos mais recentes e mais amigos do ambiente. Ou seja, posteriores a 2014.

4. Mudança de óleo regular

meter oleo no motor

Devido a toda a complexidade de conseguir criar um automóvel que tenha baixos consumos, atue a baixas rotações e, ao mesmo tempo, emita poucos gases nocivos, todo o sistema de um carro a diesel é mais complexo. Um dos pilares do mecanismo de atuação é o óleo do carro.

Por essa mesma razão, é necessário mudá-lo com maior regularidade para que todas as peças funcionem na perfeição. Caso contrário, corre o risco de ter o óleo contaminado com partículas de pó ou fuligem que, por sua vez, são prejudiciais ao motor.

O artigo continua após o anúncio

Pelas mesmas razões, também os filtros de óleo necessitam de uma atenção mais cuidada do que num veículo a gasolina.

5. Provocam mais fumo e fazem mais ruído

Os automóveis a diesel normalmente fazem mais ruído e expelem mais fumo. Apesar de isso, por si só, não significar que tem algum problema no catalisador, não deixa de ser desagradável para o condutor e para todos aqueles que apanham com o fumo e ouvem o ruído.

Este fenómeno deve-se à forma como o gasóleo é queimado e posteriormente expelido e também devido ao facto do motor a diesel ser, por natureza, mais barulhento.

6. Demoram mais tempo a arrancar

Os meses frios podem ser complicados para os carros com motor a diesel. Se tiver velas de ignição sofrerá ainda mais, uma vez que estas necessitam de aquecer bem para funcionar.

Portanto, não se espante se tiver de aguardar um bom tempo no carro para ele “pegar”. Claramente, um dos problemas dos carros a diesel que mais afetam o dia-a-dia.

Veja também