Publicidade:

E-Fatura: despesas gerais familiares em 2019

Declarar despesas gerais familiares no portal do E-Fatura continua a ter vantagens em 2019. Saiba como pode tirar o maior proveito.

E-Fatura: despesas gerais familiares em 2019
Não se esqueça de comunicar

Está novamente na hora de dar por encerradas as contas fiscais do ano passado e, com elas, chegam os alertas para validar e confirmar todas as faturas que tem registadas no portal E-Fatura – com especial atenção para as despesas de saúde, educação e despesas gerais familiares.

Deixar tudo organizado no portal das faturas eletrónicas é, além de uma obrigação, uma oportunidade que o Estado lhe dá todos os anos para beneficiar de algumas ajudas fiscais, em jeito de recompensa por ter pedido para inserir o Número de Identificação Fiscal (NIF) nas faturas que foi recebendo ao longo do ano.

Na realidade, as deduções em sede de IRS – é assim que se chamam as ajudas fiscais que o Estado nos dá em determinadas despesas – servem para equilibrar a nossa qualidade de vida e diminuir o peso que as despesas essenciais tiveram no nosso orçamento anual, que já foi tão massacrado com as despesas gerais familiares.

Para efeitos de catalogação, as Finanças dividem as nossas despesas em várias categorias, e para cada categoria definem um benefício fiscal próprio, a saber.

Despesas gerais familiares também deduzem no IRS


despesas gerais familiares

São consideradas despesas gerais familiares todas aquelas que, não se enquadrando em nenhuma das categorias que vamos ver a seguir, dizem respeito à vida da família.

Nesta categoria encaixam, entre outras, as despesas com:

  • Supermercado;
  • Vestuário;
  • Luz;
  • Telefone;
  • Água;
  • Internet;
  • Televisão;
  • Combustíveis;
  • Obras em casa (desde que seja arrendada);
  • Eletrodomésticos.

Estas despesas podem ser deduzidas em 35%, até um máximo de 250 euros por pessoa (ou seja, os casais podem deduzir até 500 euros).

Outras despesas que pode descontar no IRS de 2019


Despesas com Saúde

Em 2019 vai poder deduzir no IRS 15% de tudo o que tiver gasto com bens e serviços de saúde isentos de IVA ou tributados à taxa reduzida, bem como com prémios de seguros de saúde (desde que cubram apenas o risco de saúde).

Também as despesas com bens e serviços de saúde tributados à taxa normal podem ser deduzidas, desde que sejam acompanhadas por uma receita médica.

Antes de começar a colecionar as faturas, contudo, tenha em atenção que a dedução tem um teto de mil euros.

Despesas com educação

Das creches, jardins-de-infância, lactários, escolas, estabelecimentos de ensino e outros serviços de educação, passando pelos manuais e livros escolares e pelas refeições nas cantinas, 30% de todas as despesas relacionadas com a vida dos estudantes podem ser deduzidos no IRS até um máximo de 800 euros por ano.

Neste caso, convém associar às despesas o NIF do estudante – e depois validá-las na conta dele do E-Fatura.

Despesas com habitação

Estas não estão incluídas nas despesas gerais familiares porque têm percentagens de dedução e valores máximos diferentes – já para nem falar nos regimes específicos (por exemplo, famílias que arrendem casa no interior do país têm direito a um valor máximo de dedução maior do que as que vivem no litoral).

Nas despesas com habitação incluem-se os juros dos empréstimos, com 15% de dedução até 296€ (só para contratos de crédito celebrados até 31 de dezembro de 2011), as rendas (15% de dedução até 502€) e até as despesas com reabilitação de imóveis (30% até 500€).

Despesas com lares

Lares e apoio domiciliário também estão fora das despesas gerais e familiares, o que é bom porque são deduzidos à parte (25% até 403,75€) e podem ser declarados não só pelo próprio, mas também por familiares diretos, desde que não tenham rendimentos superiores ao salário mínimo.

Despesas com ascendentes

Mais uma categoria que alivia as despesas gerais e familiares: por cada ascendente dependente cujos rendimentos não ultrapassem o salário mínimo, pode deduzir 635€ (o valor desce para 525€ a partir de dois dependentes).

Despesas com fundos de pensões e PPRs

É a pensar no futuro que o Estado nos permite deduzir 20% de tudo o que aplicarmos nestes produtos, até um máximo de 400€ (até aos 35 anos), 350€ (entre os 35 e os 50) ou 300€ (depois dos 50 anos).

Despesas com Certificados de Reforma

O nome oficial deste benefício é Regime Público de Capitalização, e o dinheiro investido pode ser deduzido em 20% até aos 400€ (até aos 35 anos) ou 350€ (depois dos 35 anos).

Despesas com pessoas portadoras de deficiência

Estas são despesas que muitas famílias agradecem poder deduzir separadas das despesas gerais familiares. Para ascendentes ou dependentes com deficiência superior a 60% pode deduzir quatro vezes o IAS (1715,60€) para si e duas vezes e meia o IAS (1072,25€) por cada pessoa que tem como dependente; 30% de tudo o que gastar com educação e reabilitação e 25% dos seguros de vida que salvaguardem o risco de morte, invalidez ou reforma por velhice

Despesas com IVA

É uma espécie de suplemento às despesas gerais familiares e é muito bem-vinda em muitas casas portuguesas: além das despesas gerais e familiares que deduz no IRS, também pode deduzir 15% do IVA das despesas com restauração, veterinários, cabeleireiros e estéticas, oficinas e alojamento. O limite é de apenas 250 euros, por agregado familiar, mas já é um bom acrescento às habituais despesas gerais e familiares.

Todas estas despesas devem ser declaradas com o seu NIF associado e validadas no portal do E-Fatura. Para 2019, mantêm-se as regras – à exceção das deduções feitas em proporção do IAS, que aumentam (porque o IAS também aumenta). No entanto, estas alterações só vão fazer-se sentir em 2020 (que é quando vai preencher a declaração de IRS relativa a 2019).

Veja também:

Marta Maia Marta Maia

Jornalista de formação, trabalhou no Público e na Fugas, mas logo passou para o lado do Marketing. Apaixonada pelo digital e por pessoas, é poupada por natureza e faz questão de tratar o dinheiro com o respeito que ele merece. Ecologista convicta, não dispensa música, livros e boas conversas offline.

O E-Konomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O E-Konomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].