ebook
Ebook Finanças (s)em Crise
Um guia para tempos complicados
Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
07 Jul, 2021 - 10:21

Candidatura espontânea: 6 dicas para se destacar

Catarina Milheiro

Se está à procura de emprego, a candidatura espontânea é efetivamente uma das melhores ferramentas que tem ao seu dispor.

candidatura espontânea

A procura de emprego não engloba só a resposta a anúncios. Na verdade, uma das formas mais eficazes de chamar a atenção dos recrutadores é através do envio de uma candidatura espontânea

Atualmente, são várias as empresas que não recorrem à forma tradicional de contratação de pessoal, isto é, em vez de colocarem anúncios com as ofertas para as diferentes vagas em questão na empresa, optam por fazer a seleção entre os profissionais que se candidatam de forma espontânea.

Mas, afinal, em que consiste a candidatura espontânea? É muito simples. Trata-se do envio do seu currículo e carta de apresentação, oferecendo os seus serviços e não respondendo a qualquer anúncio.

modelos de Curriculum Vitae impressos
Veja também 9 modelos de Curriculum Vitae que deve conhecer

6 dicas para a sua candidatura espontânea se destacar

A candidatura espontânea demonstra o verdadeiro interesse do candidato em querer realmente trabalhar numa determinada empresa. Por isso mesmo, se está à procura de emprego, este pode ser um bom método para começar a aplicar no dia a dia.

Se pensarmos bem, a candidatura espontânea faz todo o sentido. Se, por um lado, o profissional já teve a oportunidade de pesquisar sobre a empresa e de poder selecionar as que mais lhe interessam, por outro as empresas têm tudo a ganhar em ter um profissional que se sinta bem no local de trabalho e nas funções que desempenha.

No fundo, a candidatura espontânea é uma das formas de apresentar uma candidatura a uma empresa – principalmente quando as empresas em questão não têm qualquer processo de recrutamento aberto ou não têm vagas adequadas às suas competências.

Assim, são vários os jovens que acabam por tentar a sua sorte através da candidatura espontânea. Para o ajudar, temos algumas dicas. Tome nota.

o que escrever na candidatura espontânea
  1. Comece por criar uma lista com as empresas do seu interesse e recolha todas as informações pertinentes;
  2. Defina bem quais são as funções a que se propõe desempenhar tendo em consideração a sua formação, experiência e competências;
  3. Redija uma Carta de Candidatura personalizada para cada empresa de forma a conseguir suscitar o interesse e curiosidade de quem a lê e expresse com confiança o seu interesse no trabalho a que se candidata. Não utilize um modelo geral para todas as empresas, esse é um erro bastante comum;
  4. Não pareça desesperado, ou seja, não implore por uma oportunidade porque essa atitude não vai ajudá-lo a alcançar os seus objetivos. Ofereça os seus serviços de forma profissional e autopromova as suas competências com originalidade;
  5. Através do site da empresa, procure perceber qual o meio que preferem para receber este tipo de candidaturas: se por e-mail, site, correio ou presencialmente.
  6. Não se esqueça de enviar sempre o seu CV juntamente com a Carta de Candidatura.

Vantagens da candidatura espontânea

Como já referimos, a candidatura espontânea caracteriza-se pela iniciativa do candidato, que decide contactar uma empresa pela qual tem interesse “espontaneamente”, isto é, sem estar a responder a uma oferta de emprego.

Desta forma, o candidato espera que o seu CV seja guardado numa base de dados para que mais tarde, quando a empresa sentir necessidade, possa recuperá-lo.

De facto, através do envio de uma candidatura espontânea pode estar a abrir uma porta que ainda se pensava fechada. Isto porque são muitas as empresas que, quando necessitam de recrutar, deixam de lado a possibilidade de publicar ofertas de emprego através dos habituais anúncios.

Pelo contrário, conduzem uma pesquisa nas bases de dados internas para tentarem encontrar o candidato ideal. E cabe-lhe a si garantir que está entre esses candidatos.

Como apresentar uma candidatura espontânea

A sua candidatura espontânea deve ser composta por uma carta de motivação (na qual vai transmitir os motivos que o levam a concorrer) e o seu Curriculum Vitae (CV). Como tal, deve ter especial cuidado ao elaborar a sua carta de motivação, para que esta se destaque entre as demais.

Mas mais do que uma forma de despertar o interesse dos recrutadores para o seu CV, a candidatura espontânea pode funcionar como um fator de valorização do seu perfil. Isto porque na ótica do recrutador é uma forma de revelar iniciativa (uma qualidade muito valorizada pelos empregadores atualmente), bem como interesse na empresa e na possibilidade de ocupar uma posição na mesma.

Antes de se iniciar no envio da(s) sua(s) candidatura(s) espontânea(s), deve parar e pensar na sua estratégia de ação, de forma a direcionar as suas candidaturas, tendo em conta não só as suas competências, mas também experiência profissional e as mais-valias que pode oferecer às empresas.

Ou seja, é importante que faça um estudo prévio sobre a empresa para a qual vai enviar a sua candidatura e que demonstre por que motivo será uma mais-valia para a organização. Não basta enviar somente a candidatura e enviar em anexo o seu CV e habilitações.

Competências do futuro
Veja também Competências do futuro e os novos desafios do mercado de trabalho

Como escrever uma boa carta de motivação para a candidatura espontânea

Anote: uma candidatura espontânea deve sempre incluir uma boa introdução, que deve respeitar os três “C’s” mágicos: Clareza, Coerência e Concisão! Evidentemente, não deve esquecer o “P”: de Personalização. Posto isto, lembre-se de incluir as seguintes partes.

  • Cabeçalho: é a parte onde deve constar a sua identificação e a identificação da empresa a que se está a candidatar. Deve procurar dirigi-la ao responsável pelo recrutamento em questão. Não sabe quem é? Então telefone para a empresa e pergunte.
  • Introdução – 1º Parágrafo: lembre-se que está a apresentar uma candidatura espontânea, por isso deve começar por apresentar o motivo do seu contacto. Fale do interesse pela empresa e na atividade que esta desenvolve e, obviamente, não se esqueça de referir o tipo de função a que se está a candidatar. Por exemplo: “Soube que vão abrir escritório na minha cidade brevemente, e considero que este é o melhor timing para integrar o V/ negócio como (função).”
  • Desenvolvimento: aqui deve incluir uma descrição das suas habilitações académicas, competências e experiências profissionais que possam enquadrar-se nas funções a que se candidata, bem como as vantagens que a empresa irá encontrar ao contratá-lo a si;
  • Conclusão: feche com chave de ouro. Reforce o seu interesse nas funções e na empresa para a qual está a candidatar-se. Deixe clara a sua disponibilidade para ser contactado pela empresa, seja para uma entrevista, para provas de seleção, ou para esclarecimentos adicionais. Por exemplo: “estou totalmente disponível para discutir convosco as estratégias que tenho em mente para que daqui a 5 anos a empresa seja líder de mercado nacional. Ansioso por saber o vosso feedback!”.

Como funciona a candidatura espontânea online?

Atualmente, muitas empresas já disponibilizam formulários de candidaturas espontâneas online, acessíveis a todas as pessoas que pretendam concorrer às vagas de emprego. Muitas disponibilizam oportunidades de emprego ou estágio no imediato, mas também a possibilidade de preencher um formulário no qual pode escolher a área que pretende e o tipo de candidatura (emprego ou estágio).

Facilmente encontra online modelos e exemplos de cartas para incluir na sua candidatura espontânea. Pesquise, informe-se, mas não fique demasiado preso aos exemplos. Lembre-se que a ideia é destacar-se, por isso tente ser criativo, original e procure fugir à tentação de adaptar um desses modelos à sua candidatura.

Pare para pensar e construa a sua candidatura de raiz, para que seja um reflexo não só da sua personalidade, mas também das suas competências. Só assim poderá mostrar aos recrutadores o seu valor e as mais-valias que tem para oferecer à empresa. E lembre-se: procure sempre clareza, objetividade e iniciativa.

Veja também

Aviso Legal

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].