Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Pedro Andersson
Pedro Andersson
06 Jan, 2020 - 10:42

Como ter mais dinheiro em 2020

Pedro Andersson

Um novo ano é sempre uma boa altura para começar a fazer crescer o seu dinheiro. Veja como com estes 5 desafios para 2020 que lhe lançamos.

Pedro Andresson

Estamos a começar mais um ano. É a melhor altura para mudarmos a nossa vida financeira para melhor. Mas por onde começar?

Vou dar-lhe algumas sugestões simples que, se as seguir com regularidade e motivação, vão mesmo fazer a diferença na sua carteira. São 5 desafios que lhe lanço. Escolha os que se aplicam a si.

5 passos para ter mais dinheiro em 2020

1. Defina uma meta para 2020

Há um provérbio que diz “Quando um marinheiro não sabe para onde quer ir não importa de onde sopra o vento”. É o mesmo quando falamos de dinheiro. Se não sabe qual é o seu objetivo em termos financeiros a sua vida andará ao sabor das despesas e receitas que lhe forem aparecendo. Saber o que quer é o primeiro passo para atingir os seus objetivos.

Defina quanto dinheiro quer ter na sua poupança a 31 de Dezembro de 2020. Pode ser 500 euros, 1.000, 2.000 ou 5.000 euros. Depende dos seus rendimentos e do seu grau de sacrifício quando tiver de fazer escolhas. Saiba para que quer esse dinheiro.

Anote esse valor num papel ou no seu telemóvel. Assuma esse compromisso consigo próprio ou com a sua família.

A seguir, pegue nesse valor e divida por 12. É esse valor que terá de poupar por mês para atingir o seu objetivo. Mas aconselho-o a não seguir esse plano. É meio caminho andado para falhar e ficar logo desmotivado.

Por exemplo, para ter 1.000 euros no fim do ano terá de colocar de lado 83 euros por mês. Para algumas famílias pode ser muito. Basta que num dos meses apareça um seguro do carro ou o IMI, para lhe “faltar” esse dinheiro. E vai pensar que falhou. Não falhou, planeou foi mal.

Sugiro-lhe o seguinte: decida já quanto vai poder retirar do reembolso do IRS, do subsídio de Férias e de Natal para esse seu objetivo. Por exemplo 200 euros de cada uma dessas fontes de rendimento extraordinário. Só aí vai conseguir 600 euros.

Agora sim divida os restantes 400 euros por 12. Quanto dá? Dá 33 euros por mês. Creio que concordará que já é um valor bem mais razoável e fácil de conseguir. A minha primeira sugestão é que pense na sua situação, trace um objetivo e faça planos para o atingir.

Só pensar nisso durante 10 minutos vai abrir-lhe várias janelas que se calhar estavam fechadas.

2. Pense em como pode ganhar mais dinheiro

Simples. É pedir um aumento ao patrão. Não. Não é assim que funciona. Tem de se aumentar a si próprio. Defina um objetivo. Pode ser um valor facilmente atingível, como por exemplo 50 euros por mês.

Pense numa coisa em que você é bom e talentoso (não tem de ser ligado à sua profissão). Se pinta muito bem, venda quadros; se sabe bordar, venda bordados; se sabe cozinhar, venda bolos; se tem jeito para crianças, faça baby sitting; escreva textos e venda a sites na internet; venda anéis, colares e pulseiras; se sabe tirar fotografias, venda sessões fotográficas para famílias na casa delas ou num jardim ou numa praia.

diversificar fontes de rendimento
Veja também 4 motivos para diversificar as suas fontes de rendimento

Um conhecido meu nas horas vagas, como particular, compra carros na Alemanha e vende-os cá em Portugal e ganha mil euros em cada carro que vende.  Já pensou se conseguir vender um a cada 2 meses o que isso representa no seu rendimento anual? Mesmo que um negócio corra menos bem e ganhe menos ou até perca dinheiro, compensa nos outros. Tem é de perceber do negócio em que se meter e se tem fundo de maneio para isso.

50 euros pode parecer pouco mas são 600 euros ao fim do ano. É um 14º mês para quem ganha o salário mínimo. Não desperdice oportunidades. Só saberá se resulta se tentar.

3. Experimente um produto financeiro sem capital garantido

Foi a minha grande descoberta em 2018. Até esse ano NUNCA tinha colocado dinheiro meu num produto que não tivesse capital garantido. Descobri que durante décadas andei a desperdiçar dinheiro. Descobri os Fundos de Investimento, as plataformas de Crowdfunding, as ações e ETF subscritas através de plataformas com comissões baixíssimas, etc.

Ganhei com uma pequena parte das minhas poupanças dezenas de vezes mais do que se tivesse todo o meu dinheiro numa conta a prazo.

O desafio que lhe lanço, para começar, é que coloque 100 euros num fundo de investimento recomendado pelo seu banco. Vá ao banco e pergunte: “Não percebo nada de Fundos de Investimento. O que é que me recomenda para experimentar com 100 euros?”. E ouça a resposta.

Dê esses 100 euros por perdidos, subscreva, e daqui a 1 ano diga como correu. Tanto pode correr bem como mal. “Mal” é ter colocado lá 100 euros e daqui a 1 ano só valer 50 ou 60 ou 80. Nessa circunstância o que tem de fazer é NADA. Ou seja, esperar que cresça para valores positivos. Em 2019, os meus fundos de investimento que resgatei renderam 11%.

Tenho, no momento em que escrevo, um fundo negativo 6% e todos os outros estão a render entre 3 e 9%.

Arrisque. Ou pelo menos faça perguntas para perceber do que se trata e como funcionam. Isto não é só para milionários. Há fundos a partir de 20 euros. Pergunte pelas comissões de subscrição e de resgate. Escolha os que não cobram nada ou muito pouco.

Coloque nesses fundos só dinheiro que possa perder sem prejudicar a sua vida e que não vá precisar nos próximos anos.

4. Faça o levantamento de todas as despesas anuais

Veja os seus extratos de 2019 e some o que pagou de IMI, dos seguros dos carros e do seguro da casa. Divida o total por 12 e no homebanking crie uma transferência mensal para uma conta-poupança. Assim, quando chegar a altura de pagar já não será uma surpresa porque terá lá o dinheiro para essas despesas. Faz toda a diferença.

5. Crie uma poupança automática

Pague-se primeiro a si próprio. Se recebe a dia 23 ou a 31, crie uma transferência automática para uma outra conta longe da sua vista, de um valor simbólico (25, 20 ou 10 euros). Claro que o ideal seria 10% do seu ordenado, mas vamos com calma.

Nesta fase, não me preocuparia tanto com o valor mas sim com o hábito da poupança. Assim que perceber que esse pequeno valor não faz (muita) diferença na sua vida, vai sentir o desejo de aumentar esse montante. Se o deixar na conta à ordem ele vai desaparecer e nem vai saber em quê.

A parte boa é que esse dinheiro não vai evaporar-se, nem o vai perder. Sempre que precisar dele numa emergência ele vai estar lá. Teste. Vai valer a pena perceber se funciona consigo ou não.

Deixo-lhe, portanto, estes 5 desafios para 2020. É sempre uma boa altura para começar. Não espere mais tempo para começar a fazer crescer o seu dinheiro.

Veja também