ebook
           
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Patrocinado por Escola Virtual - Grupo Porto Editora
Luana Freire
Luana Freire
27 Jul, 2022 - 16:54

Saúde: adote hábitos de verão, a trabalhar ou em férias

Luana Freire

Há 10 hábitos de verão que faz bem em alterar ou incluir na rotina. São cuidados extra a ter connosco, com os nossos e até com os animais.

É uma das épocas mais desejadas do ano pelos portugueses e bons motivos não faltam: há sol, sal e passeios ao ar livre sem limites, períodos de descanso e, às vezes, viagens tão sonhadas. Mas, numa altura em que as temperaturas aumentam, a transpiração torna-se mais recorrente e o nosso metabolismo está sujeito a variações importantes. Por isso, conheças os hábitos de verão que são específicos para se manter saudável no tempo quente.

10 hábitos de verão para manter a saúde e a boa disposição em dia

1.

Descanse mais

Aproveite os dias de pausa para recuperar o sono. Lembre-se que o descanso é tão fundamental para a nossa saúde, física e mental, como comer ou beber.

2.

Beba mais água

Beber entre dois a três litros de água por dia é um comportamento mesmo indispensável no verão.

Sim, sabemos que esta é aquele hábito de verão que não é segredo para ninguém, mas a verdade é que muitas vezes passa-nos ao lado – por razões diversas. No entanto, esta não é mesmo a altura certa para descuidar da ingestão de líquidos.

Alturas de calor aumentam o risco de desidratação. Use alarmes para lembrar de beber água, tenha sempre uma garrafa consigo e, se não é fã, opte por chás gelados e infusões. Vale tudo, desde que não sejam bebidas açucaradas, gaseificadas ou alcoólicas.

3.

Conheça a sua pele e use fotoproteção adequada

Conhecer o seu fototipo é fundamental para saber escolher a proteção solar ideal e prevenir problemas de saúde relacionados com a exposição aos raios UVA e UVB.

Atualmente, consideram-se 6 fotótipos. Conheça o seu e use proteção solar adequada.

  • Fototipo 1: Cabelo ruivo ou loiro, pele clara (por vezes com sardas), olhos verdes ou azuis – habitualmente, uma pele sensível que não bronzeia.
  • Fototipo 2: Cabelo loiro, olhos verdes ou azuis, pele clara, que queima com facilidade, mas que bronzeia lentamente.
  • Fototipo 3: Cabelo castanho ou loiro escuro; pele morena clara, olhos de qualquer cor, pele pouco sensível ao sol e que bronzeia progressivamente.
  • Fototipo 4: Cabelo escuro, castanho ou preto, pele morena, que bronzeia bem e queima pouco, olhos castanhos.
  • Fototipo 5: Cabelo castanho ou preto, pele de tom moreno escuro, olhos castanhos, pele que bronzeia bem e que raramente queima.
  • Fototipo 6: Cabelo preto, pele muito escura – ou negra -, olhos escuros. Pouco sensível ao sol.
Mãe a colocar protetor solar em bebé
4.

Saiba como tratar um escaldão

Muitas situações de queimaduras solares podem ser tratadas em casa, desde que sejam ligeiras. Os casos considerados mais graves, como quando são formadas bolhas, necessitam de atenção médica. 

O que fazer:

  • Arrefeça a pele com duche de água fria ou, em alternativa, aplique compressas frescas. Os banhos devem, idealmente, ser rápidos – para não ressecarem a pele afetada;
  • Aplique uma loção – ou gel – que alivie o desconforto (por exemplo, um after sun);
  • Beba mais água;
  • Se necessário, um anti-inflamatório de venda livre pode ajudar a aliviar as dores;
  • Mantenha a zonas que foram afetadas devidamente protegidas do sol, até que o problema fique resolvido.

O que não fazer:

  • Não aplique álcool ou produtos com álcool na sua composição;
  • Não aplique produtos que possam aumentar a temperatura das áreas queimadas da pele;
  • Não mexa nas bolhas – isto aumenta o risco de infeção.
Veja também Incêndios e calor: conselhos para minimizar riscos respiratórios
5.

Atenção aos ouvidos

O tempo de calor costuma ser uma altura em que as queixas dos ouvidos são mais recorrentes – e as dores ou otites podem acabar com as nossas férias. O problema torna-se especialmente comum durante a época balnear por uma razão simples: os banhos de mar e piscina são daqueles hábitos de verão que quase nunca falham.

Vamos entender: o nosso ouvido é, normalmente, “desenhado” de forma a que á agua que entra possa sair naturalmente, sem causar qualquer problema. No entanto, quando isto não acontece, estamos diante de casos em que o líquido acumula, sem ser expelido, e provoca as otites. Por este motivo, os banhos de piscina e de mar, tão habituais da época balnear, costumam ser um problema.

6.

Caravelas-portuguesas ou alforrecas? Saiba como tratar um acidente

Nem sempre é possível evitar picadas de alforrecas ou de caravelas-portuguesas, mas é muito importante saber tratar do problema em caso de acidentes deste tipo.

Se estiver numa praia vigiada, saia de imediato da água e peça a ajuda do nadador-salvador, que é formado para intervir nessas situações. Se, no entanto, a praia não for vigiada, siga as orientações abaixo:

  • Lave bem a zona afetada, sem esfregar, com a água do mar;
  • Nunca lave com água doce, amónia (urina) ou álcool;
  • Alivie a dor ao retirar fragmentos dos tentáculos que tenham ficado na pele – para isso, use luvas, água do mar e uma pinça de plástico (não remova diretamente com as mãos);
  • Em seguida, aplique uma fonte de calor na zona afetada, por cerca de 20 minutos – isto vai reduzir o processo inflamatório;
  • Aplique uma pomada para queimaduras;
  • Se a dor intensa persistir, procure ajuda médica.
7.

Observe sinais na pele, novos ou alterações

Não descuide da observação habitual dos sinais, novos ou já presentes. Esta análise deve ser feita uma vez por mês, durante todo o ano, e o verão não é momento para esquecê-la.

Observe as seguintes características:

  • Alteração de tamanho, forma, cor, assimetria;
  • Sinais ásperos, descamativos, que causem comichão, que apresentem várias cores ou que tenham mais de 6 milímetros;
  • Sangramento do sinal ou presença de líquido (sinais que pareçam feridas e não cicatrizem).

Sinais na pele que sejam considerados suspeitos devem ser avaliados por um médico.

8.

Pratique atividade física em horários seguros

O calor intenso não combina com a prática de atividade física. Há maior risco de desidratação, que pode levar a situações de confusão mental e mal-estar generalizado.

Nos dias mais quentes, opte mesmo por ficar em casa ou num local fresco.

Se as atividades físicas não forem adiadas, escolha os horários mais frescos do dia – pela manhã, até às 11h, e à tarde, depois das 17h.

Veja também 6 óculos de sol baratos e com muita pinta para este verão
mulheres-alimentacao-saudavel
9.

Faça uma alimentação rica e leve

O verão tem mesmo a capacidade de alterar os nossos hábitos alimentares e pede por comidas mais leves, frescas e saudáveis. Devemos aproveitar a mudança no paladar para manter um estilo de vida saudável durante o calor.

Privilegie os alimentos da terra e da época: frutas, vegetais e legumes são essenciais para oferecer ao corpo os nutrientes de que necessita, sem que sobrecarregue o seu organismo com refeições pesadas e hipercalóricas.

Pode reforçar o consumo de sementes e cereais, que são alimentos ricos em fibras e auxiliam no controlo da glicose.

10.

Proteja a si e aos animais de estimação da febre da carraça

Em zonas de maior risco, como as vegetativas, a picada da carraça pode acontecer e, com ela, pode vir um problema potencialmente fatal: a febre da carraça, uma zoonose não tão rara – ou seja, doença que passa de animais para humanos.

No entanto, recorde que a doença não é transmitida pelo seu animal de estimação, e sim pela picada desta praga comum nas alturas de mais calor.

Se vai estar numa área considerada de risco, proteja-se – e aos seus animais de estimação, se os tiver. A prevenção passa, sobretudo, por uma boa etiqueta de higiene – para pessoas e animais.

Medidas preventivas da febre da carraça:

Proteger os animais de estimação: fazer a regular desparatização externa, verificar periodicamente a presença de carraças sob o pelo, manter as visitas ao veterinário.

Proteger-se: se vai estar em áreas com vegetação alta, use roupa que cubra todo o corpo, prefira as cores claras (as carraças ficam mais visíveis); calce sapatos fechados e faça uma inspeção à pele após passar em locais de risco.

Veja também