Publicidade:

10 dicas para se reformar mais cedo

Se é dos que se quer reformar mais cedo, este artigo é para si. Listamos tudo o que precisa de preparar para deixar de trabalhar o quanto antes.

10 dicas para se reformar mais cedo
Como preparar-se financeira e emocionalmente para deixar de trabalhar

Na sociedade atual trabalha-se cada vez mais e até mais tarde. Reformar mais cedo é, no entanto, uma ambição que muitas pessoas legitimamente alimentam. Mas vai uma grande distância entre o querer e o fazer, que só se ultrapassa com planeamento e poupança.

Para poder parar de trabalhar mais cedo, é preciso reunir as condições necessárias para se sustentar. Ou seja, é preciso, antecipadamente e de forma consistente, poupar para alcançar independência financeira na idade desejada. Só assim um trabalhador poderá aposentar-se antecipadamente, sem que as penalizações previstas na lei o impeçam de ter uma vida digna.

A nível mundial existe um movimento chamado FIRE – Financial Independence, Retire Early (em português “Independência Financeira, Reformar Cedo”), cujos seguidores levam muito a sério a poupança com o objetivo de reformar mais cedo.

Estas pessoas levam uma vida muito económica, poupando metade do seu salário mensal, de forma a reformarem-se aos trintas ou, o mais tardar, aos quarentas. As ideias deste movimento têm ganho mais dimensão na última década, graças à blogosfera e uma comunidade online que partilha sugestões para uma forma de estar na vida simples e poupada.

Seja este o seu lema de vida ou tenha, simplesmente, vontade de se reformar um pouco mais cedo do que os 66 anos, reunimos uma série de dicas para que consiga o seu objetivo.

Reformar mais cedo: 10 dicas para se preparar


reformar mais cedo

1. Criar um complemento de reforma

É sabido que o sistema da Segurança Social tem problemas de sustentabilidade, uma vez que há mais pessoas a usufruir dos benefícios sociais do que a contribuir. Por isso, é importante jogar pelo seguro e criar uma alternativa, ou complemento, à reforma para poder viver confortavelmente na velhice. Isto é ainda mais relevante para quem se quer reformar mais cedo.

2. Comece a poupança o quanto antes

É igualmente importante começar a poupar o mais cedo possível, muito mais se quiser antecipar a reforma. Lembre-se de que vai ter outras prioridades ao longo da vida, como a educação dos filhos, casa, carro e outras obrigações ou desejos aos quais responder. Isto significa que terá de ter disciplina extra.

Os PPR (Plano Poupança Reforma) são uma boa forma de economizar, tendo em vista o objetivo a longo prazo e sem um esforço desmesurado.

3. Calcule quanto vai precisar na reforma

Para ter uma noção exata de quanto vai precisar de poupar terá que calcular também quanto dinheiro terá de ter de lado para viver dignamente se se reformar mais cedo. Lembre-se de que antecipando a reforma terá mais anos sem trabalhar, logo, menos dinheiro a entrar.

Faça contas aos anos que poderá viver e às suas necessidades da altura, não esquecendo cuidados de saúde que com o avançar da idade são maiores. Contabilize o número de anos que lhe faltam até se reformar mais cedo para perceber quanto precisará de poupar por mês.

4. Avalie o impacto das penalizações

Antecipando a reforma vai sofrer penalizações, recebendo menos do que se se reformar na idade normal. Pode contar com um corte de 0,5% por cada ano que falta para a idade legal. As circunstâncias específicas de cada trabalhador (idade exata, número de anos de descontos, tipo de profissão e regime profissional) vão condicionar o valor que irá receber. Para saber o valor exato pode consultar o simulador de pensões da Segurança Social.

5. Aprenda a rentabilizar o seu dinheiro

Para além de poupar, para se reformar mais cedo vai, provavelmente, ter que multiplicar o seu dinheiro. Nesse sentido, é importante saber onde vai aplicar as suas poupanças.

Existem produtos financeiros, como fundos de investimentos ou seguros, que lhe garantem maior rentabilidade. Se tiver bens, como casas ou mesmo automóvel, pode alugar para tirar um rendimento extra. Analise as suas opções, o risco associado e faça o seu dinheiro crescer.

6. Elimine créditos

Pagar dívidas ao banco é uma obrigação que leva muitas pessoas a adiar o pedido de reforma. Se, por exemplo, tem um crédito à habitação pondere fazer um esforço extra para abater essa dívida, de forma a eliminar esse crédito o quanto antes. Lembre-se que, enquanto tiver despesas fixas elevadas, será difícil antecipar a reforma.

7. Escolha o melhor timing para se reformar

A não ser que seja rico, deixar o seu emprego de um dia para o outro não é opção. Daí a necessidade de poupar desde cedo. Para se reformar mais cedo tem que planear o melhor momento para deixar de trabalhar. Se tem filhos, por exemplo, considere a altura em que eles acabarão os estudos e poderão tornar-se independentes. Se tem créditos para pagar, faça contas a quando os poderá liquidar.

8. Prepare-se emocionalmente para a reforma

O ser humano está desenhado para estar ativo. A reforma é, regra geral, a antítese disso. É importante, por isso, estar muito seguro de que quer deixar de trabalhar e preparar-se emocionalmente para uma fase diferente da sua vida. Vai deixar de ter o convívio com os colegas de trabalho, a realização profissional, o ritmo que tinha. Leve tudo isso em consideração para estar preparado para o que aí vem e combater a monotonia.

9. Planeie novas aventuras e atividades

Muitas pessoas quando se reformam sentem-se inúteis e deprimidas. No entanto, a reforma não tem que significar estar sentado em frente à televisão o dia inteiro. Quando bem planeada, a reforma pode até significar enriquecimento pessoal e intelectual. Pondere voltar a estudar, fazer voluntariado, viajar ou até trabalhar em part-time em algo que lhe dê prazer fazer.

10. Saiba gerir o seu dinheiro na reforma

Calcular bem o dinheiro que vai precisar durante os anos de aposentação é meio caminho andado, mas tem também que saber gerir bem o seu dinheiro para que dure durante todo o período de reforma. Os princípios de poupança e boa gestão financeira devem, portanto, manter-se. Tente gerir os seus fundos de forma a resgatar apenas o necessário anualmente.

Veja também:

Alexandra Nunes Alexandra Nunes

Alexandra Nunes é jornalista com experiência em imprensa e rádio. Depois de quase uma década a trabalhar na Rádio TSF partiu rumo ao Médio Oriente. A sede de conhecer novos mundos levou-a até ao Dubai, onde vive atualmente. Por lá, tem-se dedicado a explorar novas áreas da Comunicação e escreveu a biografia “Uma Mulher no Topo do Mundo” sobre a primeira portuguesa a chegar ao topo do Monte Evereste. É apaixonada por viagens, pessoas e as suas estórias.

O E-Konomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O E-Konomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].