Nuno Vasques Cambra
Nuno Vasques Cambra
12 Jul, 2022 - 09:24

Crédito para pagar dívidas: solução ou problema maior?

Nuno Vasques Cambra

Não importa quão grande é o problema, estar informado é a melhor forma de o confrontar. Saiba como usar o crédito para pagar dívidas.

A vida nem sempre corre como gostaríamos e às vezes parece que os azares batem à porta todos ao mesmo tempo. Se está numa situação financeira complicada e precisa de liquidez para cumprir as suas obrigações, saiba se vale a pena recorrer ao crédito para pagar dívidas.

Recorrer ao crédito para pagar dívidas: sim ou não?

Recorrer ao crédito para pagar dívidas pode ser uma boa solução se o empréstimo for contraído de forma responsável e desde que outras medidas adicionais sejam tomadas.

Assim sendo, antes de procurar financiamento adicional pondere estas medidas:

1

Saiba qual o tamanho do seu problema

Faça uma lista de todos os seus credores, as respetivas dívidas e prazos de pagamento. Ter um mapa deste tipo vai fazer com que os próximos passos se tornem mais claros.

2

Contenha despesas

O próximo passo é olhar para o seu orçamento mensal e perceber quais são os gastos em que pode cortar.

O financiamento não vai resolver o seu problema a menos que a sua atitude em relação ao dinheiro se altere, e a responsabilidade orçamental é o primeiro passo para sair da situação de dívida.

Veja também Como reduzir pequenas despesas que pesam muito no orçamento familiar
3

Tente renegociar as dívidas existentes

As instituições de crédito estão interessadas em recuperar o dinheiro que emprestaram e vão mostrar preferência pelo diálogo e negociação, por oposição à cobrança coerciva.

Contacte-os e tente negociar a sua dívida, através de planos de pagamento que lhe permitam ter maior margem de manobra.

Entrei em incumprimento de crédito. E agora?
Veja também Entrei em incumprimento de crédito. E agora?
4

Livre-se das dívidas com juros altos primeiro

Se contraiu dívidas onde lhe são aplicadas taxas de juro muito elevadas, essas devem ser as primeiras a ser arrumadas.

Pondere a possibilidade de contrair um novo crédito de forma a poder pagar outro com taxa de juro mais elevada.

Se tem uma dívida de cartão de crédito com o valor de 5000€, onde lhe é cobrada a taxa de juro de 15,9%, ao contrair um crédito pessoal com o mesmo valor e taxa de juro de 6,6%, a poupança poderá ser significativa.

Crédito pessoal
Veja também Guia prático do crédito pessoal: como funciona e cuidados a ter
5

Procure consolidar dívidas

Se tem vários credores, uma das soluções mais práticas e eficazes passa por consolidar as suas dívidas.

Na prática, estará a contrair novo empréstimo para concentrar todas as suas dívidas numa só, o que lhe poderá trazer benefícios ao nível da redução das prestações mensais, das taxas de juro e prazo de pagamento mais alargado.

Renegociar ou consolidar créditos
Veja também Renegociar ou consolidar créditos, escolha a melhor opção para si

O dilema do crédito para pagar dívidas

Por vezes, a solução para sair de uma situação de sobre-endividamento e manter uma taxa de esforço tão baixa quanto possível passa por contrair um crédito. Porém, tem de ser bem ponderada.

Por um lado, é uma solução que ficará mais cara a longo prazo, mas permitir-lhe-á respirar e ter margem de manobra para as despesas do dia-a-dia que são essenciais à sua sobrevivência. Por outro, as suas dívidas originais ficariam saldadas mais cedo caso não fossem orçamentalmente incomportáveis.

Depois de contrair um crédito para pagar dívidas

Se conseguiu uma folga financeira mensal ao contrair um novo crédito, faça de tudo para manter a sua disciplina financeira. A poupança é fundamental até para poder amortizar o crédito tão depressa quanto conseguir.

Naturalmente que a alimentação e a habitação são despesas às quais não é possível fugir, mas é recomendável que olhe para a poupança como uma forma de se livrar da dívida o mais depressa possível, acabando por poupar em juros a longo prazo.

Casal a colocar moeda num mealheiro
Veja também Poupar sim, mas de forma sustentada (e bem informada)
Veja também