Marta Maia
Marta Maia
29 Mar, 2019 - 15:38
Saiba quem deve entregar IRS em 2019

Saiba quem deve entregar IRS em 2019

Marta Maia

Quem deve entregar IRS e quem está dispensado desta declaração em 2019? Fique a par das regras e saiba se está isento da declaração anual.

O artigo continua após o anúncio

Submeter a declaração anual de rendimentos é uma tarefa habitual para quase todos os contribuintes, mas sabia que nem todos temos de ir ao Portal das Finanças submeter o documento? Saiba quem deve entregar IRS, quais são as novidades para 2019 e o que fazer se estiver isento.

Quem deve entregar IRS?

Quem deve entregar IRS

A declaração anual de rendimentos é uma obrigação para a maioria da população, mas, como em tudo, também há exceções a esta regra das Finanças. Na verdade, o Estado “perdoa” o trabalho de declarar rendimentos a quem os tem em pouca quantidade, por isso é importante saber o que o torna isento – ou o que o obriga a entregar a declaração como a maioria das pessoas.

Então, quem deve entregar IRS são todos os sujeitos passivos que, no ano civil anterior, tenham auferido rendimentos de valor igual ou superior ao mínimo estabelecido pela lei com trabalho dependente ou com pensões. Estes rendimentos não podem ter sido tributados com taxas liberatórias nem podem ser englobados com outros rendimentos.

Quem está isento?

Tão ou mais importante do que saber quem deve entregar IRS – porque, a bem da verdade, são quase todos os contribuintes – é saber quem está isento de entregar a declaração anual ao Estado.

Os rendimentos tributados com taxas liberatórias são os primeiros a sair da lista de quem deve entregar IRS, desde que o contribuinte não opte pelo seu englobamento (é uma opção disponível na declaração anual).

Taxas liberatórias são taxas específicas aplicadas sobre determinado tipo de rendimentos, como juros de depósitos a prazo e à ordem, rendimentos de capitais e juros de certificados de capitais. Encontra todos os detalhes no artigo 71º do CIRS.

Se os seus rendimentos de trabalho dependente ou pensões forem inferiores a 9.006,90€ e não tiverem sido sujeitos a retenção na fonte, também sai da lista de quem deve entregar IRS. Tenha em atenção, contudo, que esta regra não se aplica se tiver auferido pensões de alimentos que, somadas, ultrapassem os 4.104€.

Passamos aos atos isolados. Quem deve entregar IRS também deve declarar os atos isolados além dos rendimentos de trabalho dependente, mas, se no ano a que a declaração diz respeito não tiver havido outro tipo de rendimentos além daqueles que resultaram da emissão de um ato isolado, o contribuinte pode dispensar-se de preencher a declaração do IRS. Tudo, claro, desde que o valor do ato isolado não vá além dos 1.715,60€. A boa notícia é que o valor do ato isolado pode somar a rendimentos tributados com taxas liberatórias sem que o contribuinte passe a estar obrigado a preencher a declaração anual do IRS.

O artigo continua após o anúncio

Subsídios ou subvenções no âmbito da Política Agrícola Comum (PAC) também o livram da lista de quem deve entregar IRS, desde que não somem um valor maior do que 1.715,60€. Estes subsídios, ao contrário de todos os outros rendimentos já falados, podem ser somados aos rendimentos tributados com taxas liberatórias e até com rendimentos de trabalho dependente e de pensões – desde que, isolada ou cumulativamente, estas duas últimas modalidades não excedam os 4.104€.

E se estiver isento?

Quem deve entregar IRS

Ao contrário do que acontece com quem deve entregar IRS, quem está isento pode simplesmente não fazer nada quando chegar a altura do ano em que todos os contribuintes acertam as contas com o Ministério das Finanças.

Se está neste grupo, não tem de se preocupar com nada: não há lugar a preenchimento automático, nem a preenchimento manual, nem a submissão de documentos ao Fisco. Outra boa notícia é que pode deitar fora todas as faturas que tem guardadas na gaveta, porque não precisa de ter comprovativos das suas despesas.

Certidão do IRS

Se quem deve entregar IRS recebe em casa uma carta com as contas todas do Ministério das Finanças, quem não teve de submeter o documento também não vai receber o comprovativo. Pode, no entanto, solicitar a emissão de uma certidão que ateste o valor e a natureza de todos os rendimentos que comunicou à Autoridade Tributária.

O pedido pode ser submetido online, no Portal das Finanças, e a emissão do documento não tem qualquer custo.

Quem deve entregar IRS não pode esquecer…

Quem deve entregar IRS

As datas para submissão das declarações do IRS deste ano foram alargadas, mas continuam rígidas: de 1 de abril a 30 de junho tem de submeter ao Fisco todas as informações sobre o que ganhou e gastou no ano passado, tendo sempre em conta que, quanto mais cedo submeter a sua declaração, mais cedo as Finanças acertam contas consigo – seja para pagar o que tem em falta, seja para receber o tão querido reembolso do IRS.

Se não é apressado por natureza e prefere esperar umas semanas para submeter a sua declaração do IRS – o que é compreensível, já que, nos primeiros dias de submissão, o Portal das Finanças recebe picos de visitas e torna-se lento ou mesmo inacessível – também pode anotar a data de 31 de julho como o limite para o Ministério das Finanças lhe pagar aquilo a que tem direito (ou lhe exigir o que tiver de pagar).

Veja também:

O artigo continua após o anúncio