Olga Teixeira
Olga Teixeira
27 Dez, 2021 - 10:59

7 resoluções financeiras para 2022 que vão mudar a sua vida

Olga Teixeira

Já está a preparar a lista das resoluções financeiras para o novo ano que se aproxima? Permita-nos fazer algumas sugestões.

mulher a escrever num caderno as suas resoluções financeiras para o novo ano

Se gosta de traçar objetivos no início de cada ano, aproveite para tomar resoluções financeiras para deixar as suas contas em dia e ter um ano mais tranquilo. Se ano novo é sinónimo de vida nova, pode ser também o início de uma nova etapa em que, com as finanças em ordem, se torna mais fácil cumprir outros sonhos e resoluções.

Muda o ano e há sempre novos preços e, por vezes, outros aumentos bem-vindos, como acontece, por exemplo, com o salário mínimo ou as pensões. Então, porque não aproveitar para fazer algumas mudanças na sua vida financeira?

Os últimos anos podem ter sido desafiantes do ponto de vista financeiro, mas essa é apenas mais uma razão para fazer resoluções financeiras que podem ser úteis em períodos em que o rendimento seja mais baixo.

Conheça, então, alguma formas de preparar um ano com menos sobressaltos financeiros.

Resoluções financeiras para 2022: 7 (boas) sugestões

1

Poupar, mas a sério

Todos queremos poupar e certamente já manifestou várias vezes essa intenção. O problema é justamente esse. É que muitas vezes tudo não passa de uma boa intenção e as despesas aumentam (e nem sempre na mesma proporção dos rendimentos).

Então, por onde começar? O início do ano é uma excelente altura para criar um plano financeiro que ajude a manter as contas equilibradas.

O primeiro passo é, assim, criar um orçamento familiar em que constem todas as despesas e receitas. Ao fazê-lo, perceberá, imediatamente, se e onde está a gastar demais.

Depois, há que procurar equilibrar as contas, usando um método que se aplica a todos os orçamentos, independentemente da sua dimensão: cortar na despesa e aumentar a receita.

Obter mais rendimentos pode parecer difícil, mas há muitas formas de conseguir mais alguns euros ao fim do mês.

2

Mudar e renegociar

Mas a parte mais importante das duas resoluções financeiras relacionadas com poupança é mesmo cortar na despesa. Este corte pode ser mais ou menos radical, dependendo do equilíbrio ou desequilíbrio das suas finanças.

Pode passar, por exemplo, por renegociar contratos ou procurar melhores condições para os que tem. E isto aplica-se tanto ao crédito habitação como ao fornecedor de eletricidade ou aos seguros. Peça propostas, compare valores e veja qual a hipótese que lhe permite gastar menos.

Reduza as despesas bancárias optando por uma conta de serviços mínimos e perceba o que pode fazer para baixar o spread do seu empréstimo ou o valor das prestações. Feche as contas bancárias que não usa e cancele todos os serviços de que não usufrui.

Se as finanças já estão pouco folgadas, contrair mais créditos não é, de todo, aconselhável. Em vez disso, pense em criar um fundo de emergência, aproveitando, por exemplo, subsídios de férias e de Natal e os reembolsos do IRS. Ou comece a preparar a reforma, subscrevendo um PPR.

Acha difícil ter dinheiro para pôr de lado? Comece por aderir a um sistema de poupança que permita ir amealhando quase sem sentir que está a poupar.

Renegociar contratos e créditos
Veja também 7 passos para renegociar contratos e créditos em tempos de crise
3

Mudar de hábitos

Alie as resoluções financeiras a outras resoluções de Ano Novo e livre-se de hábitos pouco amigos da sua carteira: fumar, fazer muitas refeições fora de casa ou usar o carro em percursos que pode fazer a pé. São boas ideias para a sua saúde e que vão fazer com que gaste menos.

As compras por impulso são outro hábito que pode abandonar no novo ano. Antes de comprar, pondere a relação entre a qualidade, utilidade e preço. Se é muito barato e tem pouca qualidade, o mais provável é que dure pouco. Se é algo que vai usar pouco, então não vale a pena comprar, mesmo que seja barato e bom.

Quando as compras por impulso se juntam ao cartão de crédito, o resultado pode não ser bom. Assim, e para garantir que não está a gastar mais do que pode ou deve, guarde esse meio de pagamento para uma emergência.

Se não costuma pedir fatura quando vai às compras, ao cabeleireiro ou jantar fora, esta é uma boa altura para mudar de hábitos. Não se esqueça que essas despesas, tais como, por exemplo, as de reparações automóveis, ginásios ou veterinários podem fazer com que pague menos IRS no próximo ano.

Outro hábito que pode criar no novo ano é deixar de de ignorar os chamados custos fantasma. Ou seja, aquelas despesas como o IUC, seguros ou manutenção da casa que, por não serem fixas, tendem a ser esquecidas.

Custoa fantasma que estão a boicotar o seu orçamento
Veja também 3 custos fantasma que estão a boicotar o seu orçamento
4

Traçar objetivos financeiros

Mais uma vez, resoluções financeiras podem juntar-se às resoluções que fez na passagem de ano. Quer fazer uma viagem? É este o ano em que vai ter a festa de casamento que sempre quis? Ou vai voltar a estudar? Tudo isto custa dinheiro, mas pode ser mais fácil se traçar metas.

Por exemplo: juntar 2.500 euros até junho ou chegar ao fim de cada mês sem ter gasto mais de metade do ordenado. Ou ter, no fim do próximo ano, o suficiente para poder trocar de carro.

Ao traçar objetivos para a sua vida está, também, a criar um compromisso de poupança. E, como já vimos, há muitas formas de poupar todos os dias.

Assim, se surgirem dificuldades financeiras, fale com credores. O seu banco pode acionar o PARI ou optar pela renegociação ou consolidação de empréstimos.

Mesmo as dívidas ao Estado podem ser pagas em prestações, evitando assim cobranças coercivas que podem acabar em penhora.

Se não souber o que fazer, há entidades que podem ajudar a lidar com estas situações e que prestam apoio gratuito.

5

Consumir de forma sustentável

As suas resoluções financeiras também podem ser boas para o planeta. Numa altura em que as alterações climáticas se tornam mais preocupantes, pense no que pode fazer para ter um ano mais “verde”.

Consumir menos, reciclar, reutilizar e reparar em vez de comprar novo são dicas que pode pôr em prática no seu dia a dia e que vão ser benéficas para o seu orçamento familiar.

Poluir menos também é uma boa meta para o novo ano. Porque não aproveitar para comprar um veículo mais sustentável e recuperar parte do investimento que fez? Ou aproveitar os benefícios fiscais para carros elétricos e híbridos?

Pode também tirar partido dos incentivos para tornar a sua casa mais sustentável ou, até, passar a produzir a energia que consome.

6

Investir

Multiplicar o seu dinheiro é uma das resoluções financeiras mais comuns, mas se o fim é claro, os meios para alcançar esse objetivo podem parecer mais complexos.

No entanto, existem opções para todos os perfis. Dos tradicionais depósitos a prazo até aos fundos imobiliários, ações, certificados de aforro ou criptomoedas, as soluções de investimento adequam-se a quase todos.

Antes de começar, é importante perceber que nem todas garantem o investimento. Isto é, há casos em que pode perder uma parte ou a totalidade do que investiu. Por isso, e sobretudo nos casos de produtos financeiros mais complexos, certifique-se que entende o seu funcionamento.

Se quer assegurar que mantêm as suas poupanças intocadas e tem aversão aos risco, faça uma poupança mais tradicional coberta pelo Fundo de Garantia de Depósitos.

Mulher a investir em ETFs via smartphone
Veja também Investir em ETFs é rentável?
7

Cumprir as suas resoluções financeiras

De pouco servirá fazer resoluções se no final do próximo ano não tiver avançado para a sua concretização. Assim, é fundamental que as resoluções financeiras sejam realistas. Isto é, não trace objetivos que exijam demasiado sacrifício.

Se sentir que não vai conseguir cumprir o que planeou, reajuste os objetivos e crie novas resoluções.

Veja também