Olga Teixeira
Olga Teixeira
28 Set, 2022 - 09:07

Recessão económica à porta. O que está por vir e como se preparar

Olga Teixeira

O que fazer se a recessão económica chegar? Saiba como preparar as suas finanças para um cenário de crise.

Recessão económica

recessão económica pode estar a chegar. A subida dos juros e a inflação, aliadas a um contexto de guerra e à incerteza quanto ao desempenho das economias, estão a criar um cenário nada animador.

Caso se verifique um abrandamento do crescimento económico, sabe o que fazer para minimizar o impacto? O melhor será começar a adaptar o seu orçamento familiar, preparando-se para tempos mais desafiantes.

Em 2020 tivemos a pandemia, 2021 trouxe o regresso da inflação e 2022 uma guerra com consequências negativas para a economia. As previsões para os próximos meses trazem mais motivos de apreensão: a palavra recessão voltou a ouvir-se e o que era uma possibilidade parece estar a tornar-se realidade.

O que é uma recessão económica?

Uma recessão económica verifica-se quando a atividade económica, que é medida pelo Produto Interno Bruto (PIB), sofre uma contração. Outras definições mais abrangentes consideram que a recessão não se limita à descida do PIB, mas também a quebras no rendimento, emprego, produção industrial e vendas dos grossistas e retalhistas.

Vai efetivamente chegar?

Tudo indica que sim. Algumas das principais economias mundiais, como os EUA ou a Alemanha, devem entrar em recessão em breve. A economia norte-americana regista já dois trimestres seguidos com quebra do PIB, o que, teoricamente, significa recessão económica.

Em Portugal, as previsões do Conselho de Finanças Públicas apontam para um crescimento real da economia portuguesa de 6,7% em 2022 (superior aos 4,9% em 2021), com um abrandamento para 1,2% em 2023.

Ou seja, há realmente uma perspectiva de recessão económica.

Perante este possível cenário, e tendo em conta que a inflação e a subida dos preços da energia e dos combustíveis já estão a ter impacto nos orçamentos familiares, talvez seja bom preparar as suas finanças para o que aí vem.

Como se preparar para um cenário de recessão económica?

Embora de se desconheça a dimensão da recessão que parece estar a caminho, qualquer recessão económica tem consequências ao nível dos rendimentos, do emprego e do consumo.

Analisando a conjuntura atual, marcada pela inflação, subida das taxas de juro e implementação de medidas para poupança de energia e de água, é fácil perceber que o melhor é precaver-se.

Conheça algumas formas de preparar as suas finanças para a crise que se avizinha.

1

Orçamento familiar: a chave para não perder o controlo das finanças

Não vale a pena começar a fazer contas sem fazer as mais importantes: quanto ganha, quanto gasta e em quê? Pode parecer simples, mas para que o seu orçamento familiar seja rigoroso há que contabilizar todas as despesas, mesmo as chamadas despesas fantasma.

Conhecer os seus gastos é a melhor forma de perceber quais são os supérfluos, mas também de avaliar os que podem ser reduzidos através de pequenas mudanças. Mudar de fornecedor de gás ou eletricidade, renegociar seguros para ficar a pagar menos ou usar menos vezes o automóvel são alguns passos para ajudar a reduzir a despesa.

Quando se fala em orçamento familiar, o objetivo é só um: equilibrar despesas e rendimentos, de forma a que, no final do mês, ainda tenha dinheiro para colocar numa poupança.

Como criar um orçamento mensal
Veja também Como criar um orçamento mensal passo a passo (com modelo)
2

Criar um fundo de emergência

Se ainda não tem, está na altura de começar a construir um. O fundo de emergência foi fundamental para muitas famílias durante a pandemia, pelo que está na altura de repor ou de criar o seu.

Quanto deve ter no seu fundo de emergência? Não há um valor ideal, mas pode começar por juntar dinheiro para, pelo menos, três meses de despesas familiares. Depois, continue esse esforço de poupança, mas num outro produto que rentabilize mais o seu “pé-de-meia”.

3

Poupar e investir: as duas faces da mesma moeda

Além da criação de um fundo de emergência e do reforço de hábitos de poupança, é importante que enfrente a recessão económica com algum espírito de investimento.

O que pode significar investir na sua reforma, para que a quebra de rendimentos quando parar de trabalhar não seja tão intensa. Subscrever um PPR ou criar uma poupança a pensar nessa fase da vida são duas formas de preparar a reforma, mesmo que ainda faltem muitos anos para lá chegar.

O investimento pode passar também por fazer crescer o seu dinheiro. A forma como vai investir deve ter em conta não só o dinheiro que tem disponível, mas também o seu perfil de risco. O ideal é diversificar os investimentos, escolhendo produtos com diferentes características e rentabilidades e, se quiser, com e sem garantias de capital.

Certificados de Aforro, fundos de investimento ou ações são algumas das forma mais comuns de investir. No entanto, pode optar por alternativas, como arte, barras de ouro ou imóveis. As criptomoedas e os NFTs são formas mais recentes de investimento que têm gerado o interesse de alguns investidores.

4

Acabar com as dívidas que têm taxas de juro elevadas

Enfrentar uma recessão económica com dívidas é mais difícil. Por isso, pode começar por procurar reduzir esse peso, amortizando algumas das suas dívidas.

Saldar os valores em dívida do cartão de crédito pode ser o primeiro passo, pois a taxa de juro é bastante elevada. Se tem vários empréstimos, pondere amortizar total ou parcialmente os que puder. No caso do crédito habitação, e dado o contexto de subida da Euribor, uma amortização será uma boa forma de reduzir o valor da prestação mensal, aliviando um pouco o seu orçamento.

o que é taxa de usura
Veja também Taxa de usura: qual o juro máximo que lhe podem cobrar num crédito
5

Consolidar ou renegociar créditos

Se não consegue amortizar os seus créditos e se a sua taxa de esforço (percentagem do rendimento que usa para pagar prestações) já é elevada, está na altura de falar com o seu banco.

Pondere consolidar créditos, isto é, juntar as prestações dos vários empréstimos numa só, ficando assim a pagar menos.

Outra solução pode passar por renegociar as condições dos seus créditos atuais. Por exemplo, alargando um pouco o prazo de reembolso ou optando pela taxa fixa, o que lhe permite prestações constantes, mesmo que as taxas de juro subam.

Estas soluções só são possíveis com o acordo do seu banco. De qualquer forma, vale sempre a pena tentar negociar.

Se prevê que possa entrar em incumprimento, não adie a resolução do problema e procure junto da instituição de crédito uma alternativa que lhe permita continuar a cumprir as suas obrigações.

6

Atualizar ou adquirir novas competências

Uma recessão económica também pode ser uma boa oportunidade para investir em si. Adquirir competências que lhe possam dar oportunidade de subir na carreira ou, até, de mudar de emprego, é uma excelente forma de ter algo positivo numa fase mais desafiante.

Se não tem disponibilidade de tempo ou financeira para voltar a estudar, pode sempre procurar formações gratuitas (incluindo online) que lhe deem mais conhecimentos ou que atualizem os que já tem.

Estas novas competências podem também fazer com que possa obter um rendimento extra, quer seja num segundo emprego, quer rentabilizando um passatempo.

7

Viver um vida frugal: menos é mais

Viver de forma mais simples não é necessariamente algo de negativo. Gastar menos em roupa, em canais de streaming ou em férias pode parecer um tormento, mas serão pequenos sacrifícios que lhe vão dar paz de espírito na altura de pagar as contas.

Estabelecer como meta viver de uma forma mais frugal e sem desperdício vai permitir que passe pela recessão económica com mais facilidade. Pense no que é essencial e em garantir que tem como pagar essas despesas. Depois, há soluções como reutilizar, reparar o que está estragado ou reciclar (móveis e roupa) que, além de sustentáveis, são benéficas para o seu orçamento.

Fontes

Veja também